Confinamento obrigatório para 5,5 milhões de chilenos começa hoje

Marieta Cazarré - Repórter da Agência Brasil

A partir das 22h de hoje (8), 5,5 milhões de chilenos entrarão em quarentena total por, pelo menos uma semana. Na região metropolitana da capital, Santiago do Chile, a medida afetará a vida de 4,8 milhões de pessoas, o que representa cerca de 70% da população local. O confinamento obrigatório é o maior determinado pelas autoridades sanitárias chilenas desde o início da pandemia.

Os cidadãos não poderão ir ao trabalho nem realizar atividades em locais públicos. Ontem (7), longas filas se formaram em supermercados, farmácias e bancos, resultado da preocupação da população em se abastecer para a quarentena. No entanto, um comunicado divulgado pelo ministério da Saúde pede tranquilidade e afirma que o país não sofre risco de desabastecimento de alimentos e itens básicos.

Para sair de casa, os cidadãos terão que apresentar licenças temporárias individuais. Para trabalhar, é necessário um salvo conduto. A região metropolitana da capital concentra mais de 80% dos casos de covid-19 no Chile.

O país, que tem uma população de 18,7 milhões de habitantes, registra 25.972 casos confirmados da doença e 294 mortes. Em relação aos exames de confirmação diagnóstica por PCR, o país havia realizado, até a última quarta-feira (6), mais de 232 mil testes, o que significa 11.618 testes de PCR por milhão de habitantes.

No Chile, já há 13 cidades sob o regime de quarentena. A partir de hoje somam-se a elas outras 12, totalizando 25 localidades da região metropolitana. Ñuñoa é a única comuna na região metropolitana de Santiago que não está em quarentena.

"Mais uma vez, fazemos um chamado para olhar para o que está acontecendo em diferentes regiões do país. Um sincero agradecimento aos cidadãos das localidades que entenderam e participaram, endossando o chamado para cuidar de nós mesmos. Pedimos que o mesmo aconteça na Grande Santiago, porque é essencial que o número de casos na cidade diminua rapidamente. A única maneira de fazer isso é com as medidas que indicamos, por mais dolorosas que sejam, e pedimos que entendam que estamos todos juntos nisso, prefeitos, governo, parlamentares e cidadãos", afirmou o ministro da Saúde chileno, Jaime Mañalich. 

Barreiras sanitárias serão instaladas nos acessos entre a região metropolitana e as cidades de Valparaíso e Viña del Mar, para evitar a propagação do novo coronavírus no território. As Forças Armadas participarão do controle.

Medidas

Entre as medidas defendidas pelo governo, além do uso obrigatório de máscaras, está a pintura de linhas demarcatórias no chão de comércios e lojas, com um metro de distância, para que a população não se aglomere nas filas. É necessária também a presença de guardas para controlar e organizar a entrada dos clientes dos estabelecimentos. Em algumas cidades, apenas uma pessoa por família pode sair para fazer as compras.

Collective taxis protest against the lack of financial support from the current government, in Santiago
Collective taxis protest against the lack of financial support from the current government, in Santiago
Coronavírus no Chile Arquivo/Reuters/Ivan Alvarado

O prefeito de Quilicura, uma das 32 cidades que compõem a região metropolitana de Santiago, habilitou uma farmácia móvel que irá aos bairros para que as pessoas não se desloquem. Em diversas cidades, há a distribuição de cestas básicas e botijões de gás para as populações mais vulneráveis.

Outra medida intensificada pelas comunas é a limpeza das ruas com caminhões. Em La Florida, por exemplo, 250 mochilas fumigadoras foram entregues a dirigentes de associações de vizinhos de condomínios e bairros, para que os moradores possam fazer limpezas permanentemente.