Confira a nova previsão do salário mínimo de 2023

Índice de inflação usado pelo governo para definir reajuste do salário mínimo foi reduzido
Índice de inflação usado pelo governo para definir reajuste do salário mínimo foi reduzido
  • Governo havia enviado para o Congresso o Orçamento com estimativa de inflação de 7,41%;

  • Ministério da Economia alterou previsão do INPC, reduzindo pra 6,54%;

  • Índice afeta salário mínimo e aposentadorias.

O governo federal reajustou a estimativa do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) nesta quinta-feira (15), através da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, que emitiu seu novo boletim Macrofiscal. A taxa foi reduzida de 7,41% para 6,54%.

O INPC é um dos índices inflacionários mais utilizados no Brasil, sendo o de escolha do governo federal para reajustar os valores do salário mínimo, da aposentadoria e de outros benefícios. Com o novo reajuste, o piso nacional pode acabar sendo menor do que o esperado.

Na semana passada, o governo de Bolsonaro enviou a proposta de Orçamento para 2023 com uma previsão do salário mínimo em R$ 1.302, baseada na taxa de 7,41%. Se a nova previsão realmente se concretizar, podemos ver um salário mínimo menor no próximo. Com base no índice de 6,54%, o salário mínimo será de R$ 1.292.

Por enquanto todos esses valores são temporários, uma vez que o valor só é ajustado quando há o fechamento do ano e o cálculo real da inflação acumulada no período. Ou seja, ainda há possibilidade dessa taxa aumentar ou diminuir, dependendo da conjuntura econômica do Brasil.

É de se notar também que o valor corrigido pela inflação não representa um aumento salarial real para o trabalhador brasileiro. Isto quer dizer que em teoria, o valor de R$ 1.302 ou R$ 1.292 significam o mesmo poder de compra ao de janeiro deste ano, e dos anos anteriores, uma vez que o governo Bolsonaro ainda não fez um aumento real no piso nacional.

O governo também pode preventivamente aumentar o salário mínimo para o próximo ano, por meio de uma Medida Provisória, como vem fazendo nos últimos anos. Se neste ano Bolsonaro não fizer um aumento real, ele será o único presidente desde o período de redemocratização que não realizou um aumento real nos quatro anos de governo.