Confira seis discos imperdíveis de Florian Schneider, do Kraftwerk, morto aos 73 anos

RIO — Para celebrar o legado de Florian Schneider — morto na última semana, aos 73 anos —, um dos pioneiros da música eletrônica, listamos a seguir seis discos fundamentais da carreira do Kraftwerk — todos disponíveis em plataformas de streaming. Discos que influenciaram de New Order e U2 ao DJ americano Afrika Bambaataa, um dos criadores do hip hop, o grupo francês Daft Punk e o funk das favelas cariocas.

“Autobahn”

Lançado em 1974, foi o primeio grande sucesso do grupo alemão, chegando ao 5º lugar na parada dos Estados Unidos. Uma ópera eletrônica sobre as rodovias alemãs, foi o primeiro a colocar em primeiro plano som eletrônico marcado por constância e reiteção de feitos que se tornaria assinatura do Kraftwerk.

Faixa sugerida: “Autobahn”, épico de 22 minutos.

“Radio-activity”

Álbum temático sobre a radiodifusão, “Radioactivity”, mostra um Kraftwerk que ainda usava a eletrônica básica dos osciladores de frequências e procedimentos eruditos de vanguarda. O caminho para o pop estava sendo aberto.

Faixas sugeridas: “Airwaves”, “Radioland” e “Radioactivity”.

"Trans-Europe Express"

O disco de 1977 apresenta um refinamento eletrônico, com manipulações melódicas e estética minimalista. Em 2014, o jornal americano “Los Angeles Times” apontou o álbum como “o disco pop mais importante dos últimos 40 anos”.

Faixa sugerida: “Showroom dummies”.

“The Man-Machine”

O sétimo trabalho de estúdio do grupo, de 1978, marcou o início de uma transição do minimalismo para ritmos mais dançantes, abrindo caminho para o lado eletropop da new wave.

Faixas sugeridas: “Neon lights” e “The robot”.

“Computer world”

Parido em 1981, o LP abordava o crescimento da importância dos computadores e novas tecnologias na vida da sociedade, marcando mais uma vez a visão de vanguarda do grupo. Outra curiosidade do disco foi o single “Pocket calculator”, lançado com várias versões em línguas diferentes em diversos países.

Faixa sugerida: “Computer love".

“Electric Cafe”

Gravado usando apenas instrumentos digitais, o disco de 1986 foi lançado em duas versões: em inglês e alemão. Ainda houve uma edição especial que trazia as faixas “Sex object” e “Techno pop” com letras em espanhol.

Faixa sugerida: “Musique non-stop”.