Conflito armado na Colômbia deixa 95.000 confinados até agora em 2022

O conflito armado na Colômbia deixou mais de 95 mil pessoas confinadas até agora em 2022, atingindo o pico mais alto da última década, segundo dados da agência humanitária da ONU divulgados nesta quinta-feira (28).

"Entre janeiro e setembro de 2022, o número de pessoas confinadas aumentou 73% em relação ao mesmo período de 2021, com um total de 95.739 confinados", disse o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) em relatório de 24 de outubro.

Este é o número mais alto registrado nos últimos dez anos neste país assolado por um conflito armado prolongado, seguido por cerca de 74.000 confinados registrados em 2013, indica o relatório divulgado na quinta-feira em uma reunião com a imprensa em Bogotá.

Nos primeiros nove meses do ano, um em cada dois confinados era indígena e um em cada quatro pertencia a uma comunidade afrodescendente, afetada principalmente por "ações contra a população civil" e "confrontos entre atores não estatais", continua o documento.

Desde 2017, depois que cerca de 7.000 combatentes das guerrilhas dissolvidas das Farc depuseram suas armas graças a um acordo de paz histórico, os confinamentos dispararam: de cerca de 1.400 confinados naquele ano, chegou a 73.700 em 2020, com um leve retrocesso em 2021.

Da mesma forma, entre janeiro e setembro de 2022, foram registradas "66.922 vítimas de deslocamento" neste país de 50 milhões de habitantes, o que representa um aumento de 9% em relação ao mesmo período de 2021.

"A preocupação permanece para 49% (32.934 pessoas) das vítimas durante 2022 que não puderam retornar aos seus territórios desde janeiro", alertou o OCHA.

Apesar do acordo de paz, a Colômbia continua envolvida em uma escalada violenta com grupos armados que lutam a sangue e fogo pelas rendas do tráfico de drogas e da mineração ilegal em várias áreas do país.

Em quase seis décadas, o conflito armado deixou mais de 9 milhões de vítimas, a maioria deslocada.

atm/dl/aa