Conflito entre Hamas e Israel tem sinais de redução após apelos por paz

·2 minuto de leitura
Manifestante palestino atira pedra contra forças israelenses durante protesto em Gaza

Por Nidal al-Mughrabi e Dan Williams e Stephen Farrell

GAZA/JERUSALÉM (Reuters) - Os combates na fronteira entre Israel e o grupo palestino Hamas pareceram diminuir um pouco nesta terça-feira, sem mortes registradas em Gaza pela primeira vez desde o início das hostilidades em 10 de maio e menos ataques com foguetes palestinos de longo alcance.

Mas um apelo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na segunda-feira, em apoio a um cessar-fogo, pareceu passar despercebido. Israel disse que continuará, por enquanto, com uma ofensiva para destruir as capacidades das facções armadas do Hamas e da Jihad Islâmica, e afirmou que os ataques com foguetes continuam.

Os Estados Unidos e outras potências mundiais têm pressionado pelo fim da escalada mais violenta do conflito em anos, na qual autoridades de Gaza afirmam que 212 palestinos, incluindo 61 crianças e 36 mulheres, foram mortos.

Não houve nenhuma notícia imediata de baixas israelenses na terça-feira. Dez pessoas foram mortas em Israel, incluindo duas crianças, em ataques anteriores de foguetes ou mísseis palestinos.

Em sinais de uma possível disseminação da violência para outras partes, os militares israelenses disseram que suas tropas mataram um palestino que tentou atacá-los com uma arma e explosivos improvisados na Cisjordânia ocupada e que derrubaram um drone perto da fronteira com Jordânia na terça.

Greves gerais foram realizadas nesta terça-feira em Jerusalém Oriental, cidades árabes dentro de Israel e na Cisjordânia ocupada por Israel, com postagens nas redes sociais exibindo uma bandeira palestina e pedindo solidariedade "do mar ao rio".

O Hamas começou seu ataque com foguetes na segunda-feira passada, após semanas de tensões sobre um processo judicial para despejar várias famílias palestinas em Jerusalém Oriental, e em retaliação aos confrontos da polícia israelense com os palestinos perto da Mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado do Islã, durante o período do muçulmano sagrado do Ramadã.