Conflitos eclodem em Trípoli e elevam temores de guerra na Líbia

TRÍPOLI (Reuters) - Facções rivais entraram em conflito na capital da Líbia neste sábado, no pior confronto em dois anos, e uma testemunha disse que forças alinhadas a governo apoiado pelo Parlamento se moveram sobre a cidade para tentar tomar o poder.

O Ministério da Saúde deu um número preliminar de 12 mortos, com 87 feridos, mas não disse quantos eram civis ou combatentes.

A potencial manutenção dos conflitos na cidade pelo controle do governo provavelmente levaria a Líbia de volta a uma guerra total após dois anos de relativa paz.

Um impasse de meses pelo poder na Líbia colocou o Governo de Unidade Nacional (GNU) de Trípoli, sob o comando de Abdulhamid al-Dbeibah, contra uma administração rival, de Fathi Bashagha, apoiada pelo parlamento com sede no leste.

Os confrontos eclodiram durante a noite quando um dos principais grupos de Trípoli atacou uma base mantida por outro, disseram testemunhas, levando a horas de tiroteios e explosões.

Os combates se intensificaram no final da manhã de sábado, com armas leves, metralhadoras pesadas e morteiros implantados em diferentes áreas centrais. Colunas de fumaça preta se ergueram no horizonte de Trípoli e tiros e explosões ecoaram no ar.

Intensos confrontos começaram mais tarde em Janzour, na estrada costeira a oeste de Trípoli e um possível ponto de acesso para algumas forças alinhadas com Bashagha, segundo pessoas que trabalham na área.

Enquanto isso, uma testemunha ocular disse que um comboio de mais de 300 veículos afiliados a Bashagha partiu de Zlitan, cerca de 150 km a leste de Trípoli ao longo da estrada costeira. Bashagha está baseado há semanas em Misrata, perto de Zlitan.

Ao sul de Trípoli, um vídeo que circulava nas redes sociais, que a Reuters não conseguiu autenticar, mostrava forças de outro comandante alinhado a Bashagha entrando no distrito de Abu Salim. Testemunhas perto de Abu Salim disseram que houve tiroteios na área.

O ministério da saúde disse que vários hospitais e centros de saúde foram atingidos nos combates.

A missão das Nações Unidas na Líbia pediu a suspensão imediata dos combates e expressou preocupação com bombardeios em distritos civis.

A Líbia tem tido pouca paz desde o levante de 2011 apoiado pela Otan que derrubou Muammar Gaddafi e se dividiu em 2014 entre facções rivais do leste e do oeste. A produção de petróleo da Líbia, um prêmio principal para os grupos em guerra, foi repetidamente interrompida durante os anos de caos.

Uma ofensiva em 2019 do comandante do leste Khalifa Haftar, apoiada pelo parlamento do leste, entrou em colapso em 2020, levando a um cessar-fogo e a um processo de paz apoiado pela ONU.

A trégua incluiu a criação do GNU, de Dbeibah, para governar toda a Líbia e supervisionar as eleições nacionais que estavam marcadas para dezembro passado, mas foram abandonadas em meio a disputas sobre a votação.

O parlamento disse que o mandato de Dbeibah expirou e indicou Bashagha para assumir o cargo. Dbeibah disse que o parlamento não tem o direito de substituí-lo e que ele deixará o cargo somente após uma eleição.

(Por Ahmed Elumami; reportagem adicional de Ayman al-Warfali e Hani Amara. Redação de Angus McDowall)