Confrontos com o Azerbaijão matam quase 50 soldados armênios

Ao menos 49 soldados armênios morreram em confrontos na fronteira com o Azerbaijão, os combates mais violentos entre os países rivais desde a guerra de 2020 pela disputada região de Nagorno-Karabakh.

"No momento, temos 49 mortos e, lamentavelmente, não é o número definitivo", disse o primeiro-ministro Nikol Pashinyan ao Parlamento.

O Azerbaijão reconheceu "baixas" nos confrontos, que começaram durante a noite, mas não divulgou um balanço.

"Os combates continuam", afirmou Pashinyan no Parlamento, antes de indicar que "a intensidade das hostilidades diminuiu" durante a manhã.

A Rússia anunciou nesta terça-feira que negociou um cessar-fogoe entre Armênia e Azerbaijão.

"Esperamos que o acordo alcançado como resultado da mediação russa sobre um cessar-fogo a partir da 9H00 de Moscou (3H00 de Brasília) de 13 de setembro seja totalmente implementado", afirmou o ministério das Relações Exteriores da Rússia em um comunicado, que destaca a "extrema preocupação" com a retomada dos combates.

"Fazemos um apelo às partes para que se abstenham de uma nova escalada", completa a nota.

Desde o final de 2020 foram registrados confrontos esporádicos entre os dois exércitos, incluindo um na semana passada, quando a Armênia acusou o país vizinho de matar um de seus soldados em combates na fronteira.

Os novos confrontos demonstram como a situação é volátil entre as duas ex-repúblicas soviéticas rivais do Cáucaso e ameaçam acabar com o frágil processo de paz mediado pela União Europeia.

mkh-im/yad/meb/zm/avl/fp