Confrontos entre governistas e opositores deixam feridos na Bolívia

(Arquivo) Uma rua de Santa Cruz, na Bolívia, bloqueda durante uma greve contra a candidatura à reeleição do presidente Evo Morales

Confrontos entre partidários e opositores ao presidente da Bolívia, Evo Morales, deixaram ao menos seis feridos graves na noite desta quinta-feira na cidade de Santa Cruz, no leste do país, durante atos do partido do governo visando as eleições gerais de outubro, informou a TV local.

A candidata à senadora María Renée Liévana denunciou que "seis jovens (do partido do governo, MAS) estão na terapia intensiva após receberem golpes de porretes na cabeça e no estômago" durante a inauguração de um comitê de campanha.

Após o confronto, a polícia de choque utilizou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes nas ruas de Santa Cruz, feudo da oposição a 900 km de La Paz, segundo imagens exibidas pelo canal de TV Gigavisión.

Imagens nas redes sociais mostraram opositores saqueando um comitê de campanha do Movimento Ao Socialismo (MAS) e queimando alguns imóveis.

Evo Morales concorre a um quarto mandato consecutivo nas eleições do dia 20 de outubro, apesar de a possibilidade ter sido rejeitada em um referendo de 2016.

O Tribunal Constitucional ignorou o resultado do referendo e avalizou a candidatura de Morales sob o argumento de que se trata de um "direito humano".

Morales lidera as pesquisas com entre 31% e 34% das intenções de voto, seguido por Carlos Mesa, com entre 24% e 27%, o que deve provocar um segundo turno, no mês de dezembro.