Congresso americano aumenta teto da dívida e evita risco de default

O acordo foi aprovado por 64 votos contra 35 durante a madrugada no Senado americano

O Congresso dos Estados Unidos, de maioria republicana, aprovou nesta sexta-feira um acordo de orçamento para aumentar o teto da dívida até 2017 e evitar o risco de default (suspensão parcial de pagamentos) antes do prazo de terça-feira.

A lei foi aprovada durante a madrugada pelo Senado, um dia depois de uma votação similar na Câmara de Representantes. Agora o acordo segue para a promulgação do presidente Barack Obama.

O texto é resultado de um acordo negociado discretamente nas últimas semanas pela Casa Branca e os líderes do Congresso. O orçamento foi aprovado graças a uma coalizão de democratas e republicanos moderados. A maioria dos congressistas republicanos votou contra.

"É uma aliança contra a natureza para explodir a dívida", criticou o senador republicano Rand Paul, pré-candidato do partido à presidência.

Para Obama e seus aliados democratas , o acordo é uma vitória.

"Estabelece dois anos de financiamento e deve ajudar a frear o ciclo de paralisia e crises artificiais que enfraqueceram nossa economia", declarou o mandatário em comunicado.

A lei aprovada durante a madrugada aumenta levemente os orçamentos do anos fiscais de 2016 e 2017 em relação aos tetos estabelecidos em 2011, ao mesmo tempo que eleva o teto da dívida até 15 de março de 2017, ou seja, dois meses depois da posse do sucessor de Barack Obama.

Os líderes do Congresso haviam prometido alcançar um compromisso antes da data limite da próxima terça-feira, para não deixar a economia americana em risco.

O acordo encerra cinco anos de um diálogo que parecia impossível entre o presidente Obama, que tem direito de veto, e os republicanos. O confronto resultou na diminuição do déficit público dos Estados Unidos ao menor nível em oito anos, a 2,5% do PIB em 2015.

A obstinação dos republicanos, pressionados por sua ala mais conservadora, levou o país à beira do default em 2011 e 2013, até que o Congresso decidiu no último minuto aumentar o teto da dívida.


ico/fp