Congresso dos Estados Unidos aprova novo plano de ajuda à economia

Delphine TOUITOU
·4 minuto de leitura
Após meses de bloqueio, democratas e republicanos aprovaram o plano de apoio à economia

O Congresso dos dos Estados Unidos aprovou na segunda-feira um plano de apoio para famílias e empresas de quase 900 bilhões de dólares, considerado essencial para ajustar o rumo da maior economia mundial, fortemente atingida pela pandemia.

O grande apoio que o pacote de ajuda recebeu tanto no Senado como na Câmara de Representantes abriu o caminho para a promulgação do texto pelo presidente Donald Trump, o que aconteceu na madrugada desta terça-feira para evitar a paralisação das atividades do governo federal.

"O povo americano pode ter certeza de que há mais ajuda a caminho, de imediato", escreveu no Twitter o líder republicano do Senado, Mitch McConnell.

Coincidindo com o forte avanço da propagação do coronavírus, que continua provocando muitas dificuldades à economia, os congressistas republicanos e democratas finalmente elaboraram um projeto de lei após meses de disputas.

O acordo será um balão de oxigênio para milhões de desempregados que temiam o fim dos auxílios após o Natal e proporcionará uma nova injeção de dinheiro nos lares mais vulneráveis.

As pequenas empresas serão beneficiadas por mais subsídios governamentais. O pacote também inclui ajudas para o aluguel e para as famílias que enfrentam a ameaça de despejo.

"É um bom acordo bipartidário", disse a presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi.

"Mas como disse o presidente eleito, Joe Biden, é um primeiro passo. Teremos que fazer mais, mais para obter assistência para combater o vírus. Mais dinheiro para comprar vacinas", acrescentou.

Estados Unidos, país mais afetado em termos absolutos pela pandemia, enfrenta uma aceleração dos casos nos últimos meses, o que ameaça a esperada recuperação econômica.

O número de casos no país superou na segunda-feira 18 milhões. O balanço também registra mais de 319.000 mortes.

Dados recentes mostram que as vendas no varejo enfrentam uma desaceleração no período de Natal, enquanto os novos pedidos de seguro-desemprego aumentaram durante quatro das últimas cinco semanas, após meses de quedas.

A nova lei "ajudará alguns trabalhadores e empresas a passar o inverno, mas fará pouco para acelerar o início de uma recuperação econômica", afirmou David Kelly, do JP Morgan Asset Management.

- Cheques a partir da próxima semana -

O pacote de ajuda é parte de um amplo projeto de lei de 2,3 trilhões de dólares e quase 5.600 páginas que inclui o financiamento do governo federal para o próximo ano.

Antes mesmo da votação sobre medidas urgentes de ajuda à economia, o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse na segunda-feira que cheques de 600 dólares por adulto e por criança para famílias com maiores dificuldades começarão a ser enviados do início da próxima semana.

Mnuchin também comemorou essa ajuda que chega "bem a tempo para as festas" de fim do ano, em declarações à rede CNBC.

"As pessoas vão receber esse dinheiro no início da próxima semana. Será muito rápido", acrescentou o membro do gabinete de Donald Trump.

As ajudas diretas se destinam a sustentar o consumo das famílias e, consequentemente, o crescimento. Para famílias com maiores problemas financeiros, deve ajudar a pagar os aluguéis.

"Podemos terminar o ano em uma rara nota otimista", ressaltou Chuck Schumer, líder da maioria democrata no Senado.

A primeira economia do mundo entrou em profunda recessão na primavera (outono no Brasil), a pior desde a década de 1930, devido à paralisação da atividade para combater o surto do novo coronavírus.

Da noite para o dia, milhões de americanos se viram desempregados.

A retomada sustentada no verão trouxe algum otimismo antes que a segunda grande onda da pandemia interrompesse a criação de empregos e a atividade novamente no outono.

Este plano deve impedir que milhões de pessoas caiam na pobreza, pois sem o mesmo elas perderiam os auxílios no dia seguinte ao Natal.

O primeiro pacote, que atingiu a gigantesca quantia de 2,2 trilhões de dólares, foi votado com urgência no final de março, em plena eclosão da pandemia de covid-19.

Os benefícios incluíam seguro-desemprego de 600 dólares por semana e o envio de um cheque de 1.200 dólares por adulto.

Desde o verão, democratas e republicanos se encontravam em um impasse sobre o valor total do novo plano de emergência: enquanto os primeiros exigiam um pacote equivalente ao de março, os segundos buscavam limitá-lo a um máximo de 1 trilhão de dólares.

O presidente do Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano), Jerome Powell, já havia alertado na semana passada que muitas pequenas empresas poderiam falir caso não recebessem novos auxílios.

O plano também deve incluir ajuda de cerca de 16 bilhões de dólares para salvar dezenas de milhares de empregos em companhias aéreas e seus funcionários terceirizados.

Dt/rs/lda/dga/af/fp