Conheça Adriana, a Maga que é a artilheira da Copa América

A história da atacante Adriana, de 25 anos, com a seleção brasileira é recheada de altos e baixos. Três anos depois de sua primeira convocação para vestir a camisa verde e amarela, a Maga, como ficou conhecida no multi campeão Corinthians, finalmente estreou em uma competição oficial. E com o pé direito: ela já marcou quatro vezes, duas em cada jogo do Brasil, e é a artilheira do torneio. Mas sua trajetória até chegar a esta marca não foi fácil: ela foi cortada da Copa do Mundo em 2019 e das Olimpíadas de Tóquio, no ano passado, por lesões sofridas pouco antes das competições.

Marca histórica: Ellen White está perto de ultrapassar recorde de Wayne Rooney e se tornar a maior artilheira da Inglaterra

Lesão grave: Melhor do mundo, Alexia Putellas está fora da próxima temporada

Depois de uma temporada brilhante no Corinthians em 2018, quando levantou a taça do Campeonato Brasileiro Feminino e de quebra ainda ficou com a vice-artilharia da competição, parecia um caminho natural que Maga chegasse à seleção. A primeira convocação para vestir a camisa verde e amarela foi no ano seguinte, quando a equipe ainda era comandada por Vadão. Tudo estava certo para a jogadora estrear pela seleção na Copa da França, mas uma grave lesão a afastou dos gramados.

Adriana precisou passar por cirurgia para reconstruir o ligamento cruzado do joelho esquerdo e interromper uma temporada que parecia promissora: em 12 jogos, ela havia balançado as redes oito vezes. Foram dez meses longe do campo, com intensas sessões de fisioterapia e reabilitação. A atacante voltou a campo apenas em fevereiro de 2020, pelo Brasileirão. Ela disputou três partidas com a camisa alvinegra e marcou uma vez, mas novamente a continuidade dos trabalhos foi interrompida. Dessa vez, pela pandemia da Covid-19, que suspendeu as competições até agosto.

Copa América: com poucos atrativos, público não abraça a competição

Com a retomada do futebol, Maga voltou a ter um bom desempenho e foi peça-chave do treinador Arthur Elias nas conquistas do Paulistão e do Campeonato Brasileiro: na temporada, marcou 7 gols em 25 jogos. O final do ano foi agraciado com uma nova convocação para a seleção, desta vez sob o comando da sueca Pia Sundhage. Ela estreou nos dois amistosos contra o Equador, em setembro, e foi titular no segundo deles.

Em 2021, vieram novas convocações, e Adriana logo se tornou um nome frequente nas listas de Pia. Seu primeiro gol pelo Brasil foi contra a Argentina — agora uma freguesa da atacante com três gols sofridos — no torneio She Believes. Em junho, no período preparatório para as Olimpíadas, ela estava lá, mas ficou no banco, enquanto Pia testava diferentes jogadoras para formar a equipe titular. Na convocação para os Jogos de Tóquio, mais uma vez figurou na lista, mas não conseguiu chegar até a competição: sofreu lesão durante os treinos em Portland, nos Estados Unidos, e, de novo, foi cortada às vésperas da competição.

Dessa vez, a recuperação foi mais curta, já que se tratava apenas de uma lesão do menisco medial, também no joelho esquerdo. Com pouco mais de dois meses de recuperação, ela voltou para o ataque do Corinthians no Paulistão. O alvinegro levantou a taça no final do torneio, e Adriana garantiu a artilharia, empatada com a colega de equipe Miriã. A nova chance com Pia veio em novembro, no Torneio Internacional de Futebol Feminino, disputado em Manaus, e desde então apareceu em todas as listas da treinadora.

Com os quatro gols da Copa América, a Maga já balançou as redes 7 vezes em 29 oportunidades vestindo o uniforme do Brasil. Os números no Corinthians também impressionam: foram 65 gols em 127 partidas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos