Conheça cinco cidades e impérios 'perdidos' que foram redescobertos por arqueólogos

Atlântida, El Dorado, Z, Ratanabá. Histórias de cidades perdidas e suas civilizações exercem fascínio, geralmente acompanhado de expectativas por grandes fortunas e revelações sobre a história humana. A realidade e a pesquisa arqueológica costumam ser menos empolgantes. Isso, no entanto, não significa que assentamentos humanos nunca tenham sido encontrados por baixo das areias de desertos ou incrustados em montanhas de 2 mil metros de altura.

Ratanabá, Atlântida e El Dorado: veja outras lendas sobre cidades históricas que nunca existiram

'Estou reclamando com minha agência': Paulo Coelho ironiza ausência de suas obras em livrarias de Ratanabá

Origem: Teoria da Ratanabá vem de empresa que criou vilarejo terraplanista no MS

Machu Picchu

Um dos pontos turísticos mais visitados da América do Sul, Macchu Picchu é a ruína de uma cidade pré-colombiana situada no topo de uma montanha de 2 mil metros de altitude. A descoberta da cidade costuma ser atribuída ao americano Hiram Bingham, que realizou uma expedição ao local em 1911 financiada pela Universidade de Yale, na qual dava aulas de história.

Apesar de ter sido o americano quem anunciou ao mundo a localização da ruína inca, seu status de descobridor de Machu Picchu é questionável. Outros exploradores, americanos e europeus, já haviam descrito o local em cartas e mapas ao longo do século XIX. Além disso, as ruinas de Machu Picchu não eram exatamente perdidas ou esquecidas pela população da região. Foi através de um agricultor peruano, a quem pagou pelo serviço de guia, que Hiram Bingham chegou ao local.

Mesmo com a controvérsia, Hiram Bingham batiza uma das atuais vias de acesso até Machu Picchu. A expedição do americano saqueou do sítio arqueológico mais de 4.800 artefatos e fragmentos. Eles incluem peças de cerâmica, restos humanos e de animais. Entre 2011 e 2012, os artefatos foram devolvidos pela Universidade de Yale ao governo do Peru e declarados patrimônio cultural do país.

Urkesh

Urkesh, também chamada de Tell Mozan, é um sitio arqueológico localizado na Síria, próximo a fronteira com a Turquia. A escavações no local mostraram ruínas de uma antiga comunidade associada aos hurritas, um dos povos da antiga Mesopotamia, que teria habitado a região 4.000 anos antes de Cristo.

O sítio arqueológico foi identificado nos anos 80 e, em 1995, os arqueólogos anunciaram a descoberta da cidade de Urkesh. Entre as construções já descobertas no local estão um palácio, um templo e uma praça, que ocupam o terreno de 135 hectares.

Aten

Em 2021, arqueólogos no Egito anunciaram a descoberta da cidade egípcia de Aten, datada de 3.000 anos no passado. O sítio arqueológico fica localizado próximo a Luxor. A cidade de Aten for erguida durante o reinado do fárao Amenhotep III, que governou o Egito antigo entre 1391 e 1353 antes de Cristo.

Os arqueólogos encontraram na área ruas, casas e muros de até três metros de altura. Dentro das residências, anéis, peças de cerâmica e argila, além de ferramentas para produção de vidro de metal foram coletadas. Até mesmo uma grande padaria, com fornos e um armazém, foram desenterradas. A descoberta joga luz sobre o dia a dia dos antigos habitantes da região.

— A descoberta desta cidade perdida é a segunda descoberta arqueológica mais importante desde o túmulo de Tutancâmon — disse, na época, a egiptóloga Betsy Bryan, da Universidade John Hopkins.

Sanxingdui

O sítio arqueológico de Sanxingdui é considerado uma das principais descobertas da arqueologia chinesa do século XX. Situada na província de Sichuan, os artefatos encontrados na região permitem vislumbrar uma antiga civilização que viveu na China Antiga e da qual pouco se sabe, o Império Shu. Sinais de muros também foram encontrados no sítio arqueológico, que tem cerca de 11 quilômetros quadrados.

O sítio arqueológico de Sanxingdui foi descoberto em meados da década de 1920. No entanto, apenas 60 anos depois que a área chamou a atenção, quando arqueólogos acharam dois poços usados em sacrifícios, com mais de 1700 artefatos.

Zakhiku

Uma equipe de arqueólogos descobriu uma cidade da era do reino de Mitani (com cerca de 3.400 anos), localizada no Rio Tigre. O assentamento surgiu das águas do reservatório de Mossul no início deste ano, após os níveis da água caírem devido à seca extrema no Iraque. A extensa cidade, com um palácio e vários edifícios, pode ser a antiga Zakhiku, que se acredita ter sido um importante centro do reino de Mitani (1550 a.C.-1350 a.C.).

Em pouco tempo, os pesquisadores conseguiram mapear amplamente a cidade. Além de um palácio, que já havia sido documentado em 2018, vários outros grandes edifícios foram descobertos, entre eles uma enorme fortificação com muralha e torres, um edifício monumental de armazenamento de vários andares e um complexo industrial.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos