Conheça Flavia Leite, criadora dos filtros do Instagram de celebridades como Giovanna Ewbank, Negra Li e Larissa Manoela

Talita Duvanel
·2 minuto de leitura

De 26 de agosto até o fim de novembro, o Instagram registrou 1,7 bilhão de visualizações de selfies com as sardinhas do filtro da apresentadora Giovanna Ewbank. Poucos seguidores sabem, no entanto, que por trás da mágica está a carioca Flavia Leite, de 32 anos. Sócia de um estúdio de criação audiovisual e digital com o namorado, Rodrigo Ocampo, ela é o nome quente da cidade num segmento que não para de crescer: o de criação de filtros para o “Insta”. Seja famoso, grande marca ou pequeno negócio, todo mundo quer aumentar o contato com os seguidores por meio desse bônus.

Questionado, o Instagram não divulga dados sobre o crescimento do recurso, mas a percepção de quem está no ramo é de que a pandemia aumentou a demanda. “Eles criam engajamento e interação com os seguidores. Justamente por as pessoas estarem em casa, marcas e influenciadores precisaram aproveitar mais a presença virtual”, diz Flavia, cujo primeiro trabalho nessa área foi para a doceira Fabiana D’Angelo.

Até conquistar a empresária, no fim de maio, a carioca, que também é advogada, só havia feito filtros para si mesma. Um dos mais famosos da sua lista pessoal é o Cotton Candy Hair, de cabelos coloridos. “Comecei como entretenimento (Flavia se define como influenciadora e tem quase 17 mil seguidores no @flaviamouraleite). Quando descobrem que eu faço, as pessoas querem também.”

A logística de criação é assim: Flavia é quem pensa na estética, junto com o cliente, e Rodrigo fica com a parte técnica, que inclui o uso de três programas de design. Até hoje, já existem cerca de 200 criações deles na rede social, como as borboletas da cantora Negra Li e o delineador rosa e o gloss da atriz Larissa Manoela. Geralmente, ela diz, o trabalho é entregue em uma semana e pode custar entre R$ 600 e R$ 900.

De olho no que é moda nesse inesgotável segmento, a criadora Flavia garante que a “naturalidade” bomba. “É algo que tenho visto cada vez mais. As pessoas querem mostrar uma beleza com cara de saudável.” E isso, ela diz, não tem idade. “Pensamos que só os novinhos gostam, mas não. O público mais velho também adora. Quando aprendem a usar, curtem cada vez mais.” Mercado, então, não falta.