Conheça a Katsukazan, marca de bolsas de vinil que caiu no gosto dos modernos

Uma bolsa fininha, de lona vinílica, dobrável, com cores variadas e uma etiqueta estampando um nome difícil de pronunciar tinha tudo para passar despercebida. Mas não. Entre fashionistas e moderninhos, o boom foi tanto que não há quem não saiba soletrar Katsukazan (que, em japonês, significa vulcão ativo) e não esteja formando uma coleção com as peças da marca curitibana.

Criada em 2017 pelos designers Priscila Sabino, de 27 anos, e Guilherme Akio, de 30, ela é fruto da mente inventiva dos meninos que começaram testando, usando a máquina de costura emprestada da avó. “A primeira criação foi a bolsa Pastel de Vento, de costura bem simples. Não sabíamos muito e fomos fazendo experiências. O item tem um design bem limpo. Ainda hoje é o nosso carro-chefe de vendas”, conta Guilherme. “Já estamos na terceira evolução desse modelo.”

Outro trunfo são as cores: há muitas opções em tons vibrantes. “Escolhemos a lona vinílica para trabalhar porque tem muitas opções alegres, o material tem brilho. Ainda por cima, é resistente e impermeável”, aponta Priscila.

“O que mais me chama a atenção na marca é a união entre a ancestralidade e o contemporâneo. Acho também inovador a forma como eles misturam os materiais com o design e a funcionalidade dos acessórios. São peças que dá para usar em um festival e também em um evento mais formal”, destaca o stylist Caio Sobral.

Depois do modelo de estreia, vieram outros para completar o cardápio: nori, rolinho e dadinho. O último lançamento é a mochila. Mas Priscila e Guilherme agora começam a se jogar nas roupas. Por enquanto, são meias, bonés, cintos e t-shirts. “Vamos crescer essa parte. E ainda pensamos em mais. Quem sabe até mobiliário”, adianta a designer.