Conheça as lendas do folcore brasileiro que aparecem em 'Cidade invisível'

O Globo
·3 minuto de leitura

Para quem cresceu vendo as peripécias do "Sítio do Picapau Amarelo", este é um bom momento para reencontrar algumas das principais lendas do folclore brasileiro. Mas com uma nova roupagem, urbana e contemporânea, na série "Cidade invisível", de Carlos Saldanha, que estreou sexta-feira na Netflix. O elenco traz Marco Pigossi na pele do fiscal ambiental Eric e Alessandra Negrini como Inês, a dona de bar que revisita em sua personagem a popular Cuca.

A trama em sete episódios conta a trajetória misteriosa de uma investigação policial embalada por um universo encantado que tem como principal fonte o livro “Abecedário de personagens do folclore brasileiro” (Sesc/FTD), de Januária Cristina Alves.

A pesquisadora atuou como uma consultora na construção do roteiro da série e preparou alguns verbetes que explicam resumidamente, mas com detalhes, as personalidades de sete lendas que habitam não somente "Cidade invisível", como também o imaginário popular brasileiro.

Boto-cor-de-rosa

Uma das figuras mais conhecidas do folclore brasileiro, em especial na região Norte (Amazonas e Pará), o boto é um homem bonito e sedutor que, durante a noite, está sempre vestido de branco e com um chapéu na cabeça, pronto para seduzir as moças da região. Quando o dia amanhece, ele se transforma no boto cor-de-rosa.

Corpo-Seco

É um homem muito mau que quando morreu, nem Deus, nem o diabo e muito menos os abutres, quiseram saber dele. Sua sina é sair da sua catacumba, já aos pedaços e todo coberto de terra, para assombrar os humanos na calada da noite.

Cuca

É uma bruxa velha, feia, desgrenhada, que de noite aprece para levar consigo as crianças inquietas e insones. Como é uma bruxa, pode assumir várias formas: uma borboleta, uma coruja, aranha ou cobra. A forma mais conhecida, que se popularizou aqui no Brasil por meio do "Sítio do Pica-pau Amarelo", obra de Monteiro Lobato, é uma velha com a cabeça de um jacaré.

Curupira

Figura inconfundível do nosso folclore, o Curupira é um menino de corpo peludo, com um olho só no meio da testa, nariz pontudo e que tem os pés virados para trás. É o protetor das matas e das caças, e também o demônio da floresta, pois não perdoa quem desrespeita as forças da natureza.

Iara

É um dos mitos mais queridos do nosso folclore. Assume muitas formas, mas a mais conhecida é a da mulher que é metade peixe (tal como a clássica sereia). Linda e sedutora, atrai homens para o fundo do mar e eles nunca mais conseguem voltar.

Saci-Pererê

É, de longe, o personagem do folclore brasileiro mais conhecido. Apesar de haver muitas espécies de sacis com diversas aparências, a figura mais conhecida é a de um rapaz negro de uma perna só, que tem um gorro vermelho na cabeça e um cachimbo na boca. É o responsável pelas grandes traquinagens que conhecemos: desde azedar o leite, até amarrar as crinas dos cavalos com nós que não se desfazem.

Tutu

É um dos personagens do folclore brasileiro que mais povoam as cantigas de ninar. É um bicho preto que assombra as crianças que vão para a cama e choram, porque não querem dormir. Tem vários nomes, e o mais conhecido é Tutu Marambá.