Conheça MC Bianca, moradora da Baixada Fluminense que viralizou com o brega-funk ‘Tudo no sigilo’

MC Bianca tem 18 anos e chegou a Caxias há dois anos

Carlinhos Maia, Bianca Andrade (Boca Rosa), Aline Riscado, Suzanna Freitas, Carol Nakamura... Muitos influenciadores digitais apareceram em suas redes sociais nos últimos dias cantando, dançando, fazendo caras e bocas ao som do brega-funk “Tudo no sigilo”, que tem os versos “Se acionar a tropa, vai rolar resenha/ Tudo no sigilo, tudo no esquema/ Se pá tem balão, se pá tem balinha/ Vou ficar na onda, vou perder a linha”, entre outros, mais ousados.

A voz feminina da música é de MC Bianca, funkeira de 18 anos, nascida em Campos dos Goytacazes, no noroeste fluminense, e atual moradora de Duque Caxias, na Baixada. Em parceria com Vytinho NG, ela viu o brega-funk assumir a 1ª posição na lista viral do Spotify Brasil no último dia 31, conquistando lugar no Top 20 entre as mais ouvidas do país. No Youtube, o clipe do hit soma mais de 6,5 milhões de visualizações. “Tudo no sigilo” faz referência a um grupo de amigos que decidem se reunir para uma festinha animada, só que na encolha. MC Bianca reforça, no entanto, que as festinhas, de qualquer tipo, devem ser evitadas neste momento.

—Vamos ter muito tempo para acionar a tropa, no sigilo ou não, mas agora temos mesmo que nos preocupar em ficar em nossas casas, cuidando não só da nossa saúde, mas também da saúde de quem amamos. Estou doida para ver meus pais, que moram em outra cidade, mas entendo que, neste momento, estar longe pode ser um dos maiores gestos de amor. Brasil, fica em casa, por favor! — enfatiza a moça.

A funkeira, que tem usado suas redes sociais para fazer alertas aos seus conterrâneos para ficarem em casa o máximo que puderem, conta que tem aproveitado o período de distanciamento social por conta do novo coronavírus para produzir conteúdo para entreter os fãs, que já somam mais de 80 mil seguidores só no Instagram. Ela mora no estúdio em que grava seus trabalhos.

— Estou ficando praticamente 24h no estúdio, gravando vídeos e tentando ficar mais próximo do meu público pelas redes sociais, tentando aproveitar da melhor maneira possível esse momento. Estou muito feliz por toda a repercussão que minha música vem ganhando, não só no Brasil, mas também em Portugal. Acredito que o fato de estarmos em quarentena tem ajudado muito, pois as pessoas estão consumindo mais música durante esse período. E tudo isso tem gerado muitos convites para apresentações em todo o Brasil, mas ainda não estou aceitando porque optamos por deixar minha agenda fechada durante esse período de pandemia. Acho que essa é a atitude mais sensata agora — comenta a moça, preocupada com o avanço da pandemia em sua cidade: — Como artista, sempre sonhei ver uma música minha estourada, mas acho que temos que pensar em algo maior, que é o coletivo. Fico triste que muitas pessoas em Duque de Caxias não estejam pensando assim, e continuem na rua, colocando em risco não só a vida delas, mas de outros também.

Bianca Azevedo Leal, ou simplesmente MC Bianca, saiu de Campos dos Goytacazes para tentar realizar seu sonho de ser cantora na capital carioca há dois anos. Com uma renda de pouco menos de R$ 500 por mês, chegou a morar de favor e trabalhou como vendedora ambulante na praia antes de conquistar a fama. Seus primeiros cachês, de acordo com ela, eram todos revertidos para comprar o material para aprimorar seus shows.

— Recebi tantos nãos que é difícil acreditar que o meu sonho está acontecendo — conta ela, que segue otimista: — Trabalho, dedicação e nunca desistir são meus lemas.