Conheça o legado cinematográfico de Franco Zeffirelli

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com mais de 20 filmes no currículo, o cineasta italiano Franco Zeffirelli, que morreu neste sábado (15) aos 96 anos, era considerado o último de uma geração consagrada que surgiu na Itália após a Segunda Guerra Mundial e incluía Federico Fellini, Luchino Visconti e Vittorio De Sica.

Conhecido pelas adaptações bem-sucedidas de clássicos do dramaturgo inglês William Shakespeare como "A Megera Domada" (1967), "Romeu e Julieta" (1968) e "Hamlet" (1992), o diretor trabalhou com nomes como Elizabeth Taylor, Mel Gibson, Glenn Close e Olivia Hussey em sua trajetória.

Confira abaixo alguns dos filmes dirigidos pelo italiano. 

A Megera Domada (1967)

Considerada uma das primeiras comédias escritas por Shakespeare, a obra foi adaptada para o cinema com Elizabeth Taylor e Richard Burton nos papéis de Katharina e Petruchio e foi indicada ao Oscar nas categorias de melhor figurino e direção de arte.

Romeu e Julieta (1968)

A adaptação da história de amor mais conhecida do mundo, também de autoria de Shakespeare, é considerada a versão cinematográfica definitiva. Protagonizada por Leonard Whiting e Olivia Hussey, é  o maior sucesso de crítica e público de sua carreira -- foi indicada ao Oscar nas categorias de melhor filme, direção, fotografia e figurino e venceu nas duas últimas.

Jesus de Nazaré (1977)

Com Robert Powell no papel de Jesus Cristo, a megaprodução itálo-britânica foi exibida em formato de minissérie dividida em duas partes e levou quatro anos para ser gravada.

O Campeão (1979)

O remake do filme de 1931 dirigido por King Vidor conta  a emocionante história de um boxeador aposentado que volta à ativa para ajudar a sua família.

Hamlet (1990)

Co-produzido por Estados Unidos, Inglaterra e França, a terceira obra de Shakespeare levada aos cinemas pelo diretor é protagonizada por Mel Gibson e Glenn Close, que dão vida a Hamlet e Gertrude. O filme foi indicado ao Oscar nas categorias de direção de arte e figurino, mas não levou nenhuma estatueta.

Callas Forever (2002)

O último longa dirigido por Zeffirelli retrata os últimos anos da cantora lírica Maria Callas, sua grande amiga, com a qual trabalhou nas óperas italianas "Norma", de Bellini, e "Tosca", de Puccini.