Conheça o Proa, novidade na Gávea que junta pescados frescos com bons drinques em ambiente gostoso de ficar

Lívia Breves
1 / 5

86869917_EL Rio de Janeiro RJ 04-02-2020 Restaurante PROA - Da chef Joana Carvalho na Gávea Prato Pe.jpg

A chef Joana Carvalho, que há anos 8 anos comanda o Jojö, abre agora o Proa, na Gávea, focado nos pescados frescos

A chef Joana Carvalho sempre foi uma garota do mar. Ela lembra com carinho da infância passada na casa do pai na zona litorânea de Niterói. Na adolescência, gostava de viajar para praias mundo afora. E há alguns anos começou a fazer curso de mergulho e vela. “Minhas lembranças passam por catar tatuí na areia. Para mim, tempo bom é sempre perto da praia”, conta ela.

A vontade de ter um restaurante focado nos peixes é antiga. Mas, primeiro, ela abriu o Jojö, charmoso bistrô no Horto com 8 anos de vida, que tem, inclusive, boa parte do menu al mare. Mas só agora seu sonho se realizou. E veio completinho: além do menu com pescados (todos que ela compra direto dos pescadores), o formato do restaurante é o mesmo do de um barco. Então, batizá-lo Proa foi coisa de dois segundos. “Entrei aqui e o nome veio imediatamente. Sempre desejei ter uma casa na Gávea, bairro onde moro e amo. A ideia daqui é fazer uma coletânea das minhas melhores experiências gastronômicas em litorais do mundo.

Tem sabores de Noronha, México, Indonésia, Arraial do Cabo, Búzios”, lista ela, que tem como sócios o amigo Guy Gaul e a Ana Lúcia Carvalho, sua fornecedora de vinhos. Vai do pastel lua cheia (ele é redondo, enorme) da Ilha de Abraão ao krupuk (um chips feito com camarão que vem acompanhado por maionese de abacate e ovas de peixe), um clássico das Filipinas.

O cardápio faz um passeio bom por um mar moderninho, com pratos como lula grelhada com milho e bacon; acarajé desconstruído com feijão de Santarém; e peixe com manteiga de sálvia e couve-flor grelhada. “Sirvo também ovas de ouriço, que para mim é a concentração pura do sabor de praia”, conta Joana, que decidiu não colocar atum no menu. “Estão começando a entrar em extinção. Pescam um peixe que chega a 400 quilos quando ele ainda está com três. Isso é um absurdo”. Os drinques também são ótimos. O Bloody Mary vem com suco de tomate caseiro e o G&T da casa leva uma redução de goiaba.

O Proa tem vários ambientes. Um balcão na entrada, um salão no primeiro andar e ainda um varandão aberto na cobertura. Na decoração, um mix de garimpos da feira de sábado na praça em frente com itens trazidos de viagens, como luminárias e tapeçarias. “O projeto é da arquiteta Raquel Cordeiro, que adaptou tantas lembranças com o clima do restaurante parisiense L'Avant-Comptoir de la Mer”, comenta ela, que entre uma cozinha e outra, ainda foge para pescar. Mais fresco, impossível.