Conheça o saxofonista que está embalando a campanha do Flamengo no Mundial de Clubes

Marcello Neves

Você já o viu nas redes sociais ou através de vídeos na internet. Se a campanha do Flamengo no Mundial de Clubes está sendo embalada por música, é devido a um saxofonista rubro-negro que está dando o que falar em Doha, no Qatar. Moises Rodrigues, de 21 anos, ficou famoso por comandar as noites de cantorias dos torcedores no Oriente Médio e ser um amuleto da delegação no país.

A história de Moises é curiosa: aos 19 anos, largou o curso de Engenharia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para se dedicar exclusivamente à música. Ficou conhecido por tocar sax em canções dos Jogos Universitário e, de lá, tirou inspiração para dar início ao seu trabalho. Atualmente mora em Duque de Caxias, no Rio.

No Qatar, Moises ficou famoso por aparecer tocando sax no mesmo momento em que a delegação rubro-negra desembarcou no país. Não demorou para virar um sucesso e ser chamado para dar entrevistas até para canais locais. Antes desconhecido, ficou famoso do dia para a noite. 

— Logo no primeiro dia, na chegada dos jogadores no hotel, eu já puxei o sax pra começar a tocar os hinos e todos os torcedores se uniram para cantar junto. Automaticamente, os repórteres se aproximaram e começaram a gravar e me entrevistar falando que todos tinham amado. Nesse momento eu comecei a desconfiar do que estava por vir — conta Moises, já pensando no sucesso que faria.

Mas estar em Doha na semana do Mundial de Clubes foi uma grande coincidência. O músico conta que a sua ida para Doha surgiu através de um amigo que o chamou para fazer show na cidade muito antes de o rubro-negro garantir classificação para o torneio.  

— A realidade é que eu moro no Rio e já estava me planejando desde o início do ano para fazer essa viagem. O intuito era fazer alguns shows pela cidade em boates e hotéis. Conheci um brasileiro que possui uma boate em Doha e, através disso, conseguimos fechar alguns shows para o nosso projeto — conta Moises, que por pouco não sacou o sax por medo de problemas.

— Na hora de tirar o sax para tocar, bateu o medo de as pessoas olharem me julgando tipo "ei cara, para de fazer barulho". Nesse momento eu pensei em deixar a ideia pra lá, mas segundos depois pensei "se eu não fizer acontecer, ninguém vai fazer por mim". Então tomei coragem e comecei a tocar. O resultado dessa simples decisão foi eu viver um dos momentos mais incríveis da minha carreira.

Atualmente, Moises tira a sua renda exclusivamente dos shows realizados e do seu canal no Youtube. Em média, antes de sair do Brasil, estava fazendo de quatro a cinco shows por semana e tirava uma renda média de R$ 10 mil. A sua estadia no Qatar é até 5 de fevereiro.