Conheça o sistema de foguetes que os EUA enviarão à Ucrânia; Rússia aponta risco de 'terceiro país' no conflito

Um dos motivos que vêm permitindo à Ucrânia resistir na guerra desde a invasão russa, o que consequentemente enfurece o Kremlin, é o envio de armas dos EUA e de seus aliados da Otan para Kiev. Nesta quarta-feira, Washington anunciou oficialmente que entregaria um novo sistemas de foguete avançado, além de munições e helicópteros, como parte de um novo pacote de equipamento militar de US$ 700 milhões.

Terceira Guerra Mundial: Qual é o risco de um conflito maior acontecer com o aumento das tensões entre a Rússia e as potências ocidentais?

Complexo e perigoso: Mais de 17 mil armas antitanque, lobby em Washington e ciberespaço — o esforço para armar a Ucrânia

Mesmo com autoridades americanas dizendo que receberam garantias de Kiev de que o sistema de foguetes não seria utilizado para atacar o território russo e o presidente Joe Biden rejeitando o envio de mísseis de alcance maior, a Rússia condenou a decisão dos EUA, afirmando que não confia nas palavras dos ucranianos e que o auxílio americano aumentava o risco de um "terceiro país" ser arrastado para o conflito.

Entenda abaixo o que é o Sistema Americano de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade (HIMARS, na sigla em inglês) e como funcionam outros equipamentos militares enviados por Washington e seus aliados desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro

HIMARS

Autoridades americanas anteciparam na terça-feira que a Ucrânia receberá o HIMAR, uma arma capaz de disparar foguetes guiados por satélite que carregam aproximadamente o mesmo poder explosivo de uma bomba de 500 libras (227 kg) lançada do ar.

O sistema pode atingir alvos a até 80 quilômetros de distância, segundo informou uma autoridade do governo a repórteres, muito além do alcance de qualquer artilharia que a Ucrânia utiliza atualmente — a arma sempre foi um dos principais pedidos de Kiev.

O HIMARs é de alta tecnologia e é montado sobre rodas, o que proporciona mais agilidade e capacidade de manobrá-lo no campo de batalha. Cada unidade dele pode transportar seis foguetes guiados por GPS, que pode ser carregada em um minuto por uma pequena equipe, segundo reportagem da al-Jazeera.

Historiador: Otan testa limites de Putin com eficácia, mas linhas vermelhas são incertas

Sinais de exaustão: Interesses divergentes já ameaçam coesão do Ocidente contra a Rússia, apontam analistas

O sistema pode ser equipado com foguetes de alcance ainda maior, capazes de voar quase 320 quilômetros antes de atingir um alvo. No entanto, Biden decidiu não fornecer esses foguetes à Ucrânia por temer que essas armas possam ser lançadas para dentro do território russo.

Uma autoridade americana reconheceu que até os foguetes que podem percorrer 80 quilômetros poderiam ser lançados para dentro da Rússia, caso fosse utilizado na fronteira entre os dois países. Porém, ela afirmou que Kiev garantiu a Washington que isso não aconteceria.

M777 Howitzer

O canhão M777 howitzer foi utilizado primeiramente no Afeganistão e é considerado a principal peça de artilharia dos EUA, podendo efetuar até cinco disparos por minuto.

A arma normalmente dispara projéteis guiados excalibur, que utiliza GPS para mirar e atingir alvos, podendo alcançar até 40 km de distância. Em meados de maio, uma importante autoridade do Departamento de Defesa americano disse que as armas causavam um grande impacto no campo de batalha.

Perseguição: A história da professora de Filosofia da Rússia que abriu mão da carreira para não silenciar frente à guerra

Alerta: Guerra na Ucrânia tem duro impacto na África, trazendo risco de aumentar fome e instabilidade social

Mísseis antitanque Javelin

Criado nos EUA e capaz de destruir veículos de guerra a quilômetros de distância, o sistema de mísseis antitanque Javelin tem um uso prático e pode ser carregado no ombro por um soldado.

Considerado um dos mísseis antitanque portáteis mais avançados do mundo, ele pesa pouco mais de 15 quilos e permite ataques diretos ou superiores contra tanques, tendo um alcance que varia entre 65 metros e 4 km de distância. O Javelin pode até atingir helicópteros voando em baixa altitude e requer treinamento mínimo.

Mísseis Stinger

Projetados para abater aeronaves a baixas altitudes, funcionando como um sistema de defesa aéreo portátil, os mísseis Stinger já foram utilizados para derrubar aviões soviéticos no Afeganistão.

Leve, a arma pode ser facilmente implementada por tropas terrestres ou montadas em veículos. Com velocidade supersônica, contam também com um sistema de controle e orientação altamente precisos. A estimativa é de que esses mísseis consigam atingir alvos voando a altitudes de até aproximadamente 3,0 km, com um alcance de cerca de 8 km. Atualizações recentes mostraram que o armamento também é eficaz contra drones pequenos.

Sistema de defesa aérea IRIS-T

Nesta terça, o chanceler alemão Olaf Scholz disse que a Alemanha enviaria à Ucrânia o sistema de defesa aérea IRIS-T, de fabricação alemã, para ajudar a defender as cidades de ataques aéreos.

O IRIS-T é um sistema tático de defesa área de médio alcance e, segundo Scholz, é o mais moderno de seu tipo no arsenal alemão e vinha sendo produzido com outras nações da Otan.

O chanceler também anunciou o envio de um radar de rastreamento que poderia ajudar as forças ucranianas a encontrar tanto artilharia como os howitzers russos.

BMP-1

Ainda nesta terça, Scholz anunciou que havia chegado a um acordo com o primeiro-ministro da Grécia, Kyriakos Mitsotakis, no qual os gregos forneceriam à Ucrânia veículos anfíbios de combate de infantaria BMP-1 da era soviética.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos