Conheça a obra retirada do Palácio Planalto por Bolsonaro que voltará ao Salão Nobre do edifício

Em dezembro de 2019, quase um ano após o início de seu mandato, o então presidente Jair Bolsonaro tratou de fazer algumas mudanças no Palácio do Planalto, edifício que abriga o gabinete da presidência do Brasil. Uma delas chamou atenção. A obra "Orixás", da pintora Djanira (1914-1979), foi retirada do lugar de destaque que ocupava no Salão Nobre do edifício e mandada para a reserva técnica do palácio. No mesmo lugar, foi colocada uma réplica da tela "Pescadores" (1958), também de Djanira, que ficava no gabinete presidencial. À época, a retirada de "Orixás" do Salão Nobre do Palácio do Planalto foi considerada intolerância religiosa por parte do governo, que não explicou o motivo da mudança.

Mudança: Marco Lucchesi será novo presidente da Biblioteca Nacional: 'A agenda política tem lugar para o sonho'

Neymar, Ronaldinho, Anitta e cia: Quem são os 20 brasileiros com mais seguidores no Instagram

Durante a cerimônia de posse de Margareth Menezes como Ministra da Cultura, nesta segunda-feira (2), a primeira-dama Janja Silva sinalizou que "Orixás" voltará ao local onde permaneceu por anos antes de ser removida pela equipe de Bolsonaro.

Recado: Elisa Lucinda manda mensagem para Regina Duarte após atriz postar fake news: 'Deixe de ser antidemocrática'

Jeremy Renner: Relembre outros casos de famosos que sofreram acidentes na neve

Dos anos 1960, com 3,61 metros de largura por 1,12 metro de altura, a acrílica sobre tela "Orixás" apresenta três divindades de religiões de matriz africana — Iansã, Oxum e Nanã —, retratadas ao lado de duas filhas de santo. O trabalho se assemelha a outras duas pinturas da artista paulista: "Candomblé", de 1961, que pertence a um colecionador particular, e "Três orixás", de 1966, que integra a coleção da Pinacoteca de São Paulo desde 1969.

Gaslighting, goblin mode e permacrisis: O que as ‘palavras do ano’ dizem sobre nós

Celeuma: Piovani posta briga em troca de mensagens com Scooby: 'Paguei suas contas até ontem, ingrato', diz atriz

Ao assegurar que "Orixás" vai voltar ao lugar de destaque no Salão Nobre, Janja também disse que a obra foi avariada nos últimos anos. Antes de repousar na parede do palácio, no entanto, a pintura de Djanira ficará ao alcance do público na exposição "Brasil futuro: as formas da democracia", em cartaz desde domingo (1º) no Museu Nacional da República, em Brasília. Com curadoria de Lilia Schwarcz, Paulo Vieira, Márcio Tavares e Rogério Carvalho, a mostra, que celebra a posse do presidente Luiz Inácio Lula da SIlva, tem 180 obras de diversos artistas brasileiros como Denilson Baniwa, Adriana Varejão, Jaider Esbell, José Damasceno e Rosana Paulino.