Conheça os conjuntinhos sem gênero da marca paulistana que veste gente como Bela Gil, Emicida e Gaby Amarantos

Foi na tranquilidade de uma pausa para uma temporada sabática na Ásia que o casal Kelly Kim e Adrien Gingold se sentiu inspirado para abrir a marca Calma, em 2018. São peças atemporais, modeladas à mão, com estampas pensadas para vestir todos os corpos. “Trabalhei por 20 anos no mercado de moda, mas foi nessa viagem, durante um trabalho em uma cooperativa de costureiras no Vietnã, onde uma peça demora dois anos para ser concluída, que percebi a vontade de ter uma nova relação com a roupa”, conta Kelly. “Minha mãe é costureira, sempre amei modelagem. Quando voltamos, sem dinheiro, comecei a fazer roupas com retalhos e lenços que tinha guardado.”

Assim nasceu a Calma, no quarto de casa. Kelly ia construindo as roupas e Adrien, que é jornalista e tem uma produtora de cinema, fotografando. “Sempre usamos as mesmas roupas, até hoje nosso armário é conjunto. Ser unissex foi algo realmente natural, nada estratégico”, conta ele.

Outro acerto foram os conjuntinhos. A Calma se espalhou como referência em shorts e calças casados com camisas e quimonos — e hoje tem fãs, entre os seus 126 mil seguidores no Instagram, como a primeira-dama Janja Lula, as cantoras Gaby Amarantos e Lucy Alves, o rapper Emicida, o apresentador João Vicente de Castro, a chef Bela Gil e a atriz Taís Araujo. “Super anos 1980, nós ativamos essa tendência novamente. O boom veio na pandemia, quando todo mundo queria estar confortável e bem vestido. É uma roupa que ainda permite se movimentar e fazer o corre do dia”, explica Kelly.

A novidade vem em forma de uma coleção de lingeries sem gênero. “Será a Calma Segredo, uma brincadeira com a Victoria’s Secret. Foram muitos meses de prova até chegar nela”, adianta.