Conmebol anuncia que Copa América será disputada no Brasil

·2 minuto de leitura
RIO DE JANEIRO, BRAZIL - JULY 07: Dani Alves of Brazil lifts the trophy after winning the Copa America Brazil 2019 Final match between Brazil and Peru at Maracana Stadium on July 07, 2019 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by Pedro Vilela/Getty Images)
Taça da Copa América, conquistada pelo Brasil em 2019 (Pedro Vilela/Getty Images)

Após as desistências de Argentina e Colômbia, sedes originais da competição, a Conmebol anunciou nesta segunda (31) que a Copa América de 2021 será disputada no Brasil. 

>> Ouça o 'Segunda Bola', o podcast do Yahoo com Alexandre Praetzel e Jorge Nicola

O comunicado da Conmebol, feito através da conta do Twitter, diz que as datas do torneio - 11 de junho a 10 de julho - estão mantidas, mas que as sedes serão anunciadas ao longo dia. A confederação agredeceu ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pela resolução.

Leia também:

De acordo com o repórter Martin Fernandez, do Globo Esporte, a realização do torneio no Brasil estava descartada no início da reunião emergencial que a Conmebol convocou para a manhã desta segunda, mas que ao longo do encontro foi mencionado que o país tem estádios de Copa do Mundo que não são utilizados e que existe a 'expertise' após a realização da última edição do torneio, em 2019.

A príncipio, um grupo deve jogar no Mané Garrincha, em Brasília, e na Arena da Amazônia, em Manaus. O outro deve ter como sedes a Arena das Dunas, em Natal, e a Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata, região metropolitana de Recife.

Informações de bastidores confirmam que a Conmebol negocia a presença de público nos estádios durante a competição, mas ainda não há um acordo sobre a questão.

Na noite de domingo (30), a Conmebol anunciou que tinha suspendido a competição após a Argentina afirmar que não poderia receber mais o torneio por causa da crescente da pandemia do coronavírus. A Colômbia, que seria a outra sede, foi retirada no dia 20, quando a entidade sul-americana decidiu que o país, agitado por protestos sociais há semanas, não reunia condições de receber as partidas.

Três países tinham feito propostas para sediar a competição após a saída da Colômbia. A principal era do Chile, que visava dividir as honras com a Argentina, mas que acabou perdendo força após a saída do país vizinho. Os governos de Equador e Venezuela também apresentaram planos que não obtiveram êxito.