Conmebol consegue vacinas e jogadores da seleção podem ser imunizados antes da Copa América

·2 minuto de leitura
LIMA, PERU - OCTOBER 13: Neymar Jr. of Brazil greets Tite during a match between Peru and Brazil as part of South American Qualifiers for Qatar 2022 at Estadio Nacional de Lima on October 13, 2020 in Lima, Peru. (Photo by Paolo Aguilar-Pool/Getty Images)
Participantes da Copa América poderão ser imunizados com a CoronaVac, a partir de negociação feita pelo governo do Uruguai (Foto: Paolo Aguilar-Pool/Getty Images)

A Conmebol adquiriu 50 mil doses da vacina CoronaVac para imunizar os jogadores contra a covid-19. Dessa forma, os atletas da seleção brasileira de futebol terão vacinas disponíveis para disputarem a Copa América. A informação foi revelada pelo presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez. 

As doses da CoronaVac serão usadas para imunizar as delegações e todos os funcionários da organização da competição. A Copa América acontece entre junho e junho na Argentina e na Colômbia.

Leia também:

A SinoVac, laboratório chinês que produz a vacina contra a covid-19, doou as doses da CoronaVac após uma negociação com o governo do Uruguai. O contingente de 50 mil doses é suficiente para imunizar 25 mil pessoas.

"Todos os nossos esforços estão concentrados em cuidar da saúde de todos e em continuar a desenvolver o melhor futebol do mundo", escreveu Domínguez nas redes sociais. O mandatário ainda agradeceu ao governo uruguaio, Luis Lacalle Pou.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em nota, a Conmebol afirmou que a "Presidência do Uruguai, em seu claro compromisso por apoiar o esporte, ofereceu desinteressadamente seu bom trabalho para mediar com a Sinovac Biotech Ltd. Nenhuma outra confederação no mundo conseguiu até hoje dispor dos imunizantes para iniciar um processo massivo de vacinação".

Segundo o Uol, a Conmebol alegou que a vacinação dos participantes da Copa América respeita os protocolos. Além disso, a entidade afirma não haver problemas, porque as doses foram adquiridas foram dos programas de imunização dos países.

A Copa América deveria ter acontecido em 2020, mas foi adiada.