Conmebol reduz pena, e goleiro Rodolfo, do Fluminense, fica livre para jogar após doping

Igor Siqueira
·1 minuto de leitura

O goleiro Rodolfo, Fluminense, está liberado para jogar futebol. Pego no exame anti-doping em maio de 2019, o jogador conseguiu que sua suspensão fosse reduzida mais uma vez pelo Tribunal Disciplinar da Conmebol, ficando em um ano, sete meses e 20 dias. A escolha foi justamente para que ele ganhasse liberdade para jogar nesta quarta-feira, um dia depois da decisão da corte.

Rodolfo foi flagrado no exame pelo uso de cocaína. Na decisão publicada pelo tribunal sul-americano, os membros citam que a substância é considerada pelas novas regulamentações da Agência Mundial Antidopagem (Wada) como uma substância viciante ou substância de abuso, regulando-se de maneira especial as infrações das normas antidopagem vinculadas a ela.

Com isso, as sanções relacionadas a essas substâncias "viciantes" devem ser menores ou beneficiar mais o infrator - neste caso, Rodolfo - do que aquelas estabelecidas no momento em que se cometeu a infração. Por isso, o Tribunal Disciplinar optou pela redução, mais uma vez.

O goleiro tem contrato com o Fluminense até o fim de 2021.

Relembre

O goleiro foi flagrado no dia 23 de maio de 2019 com benzoilecgonina, um metabólico da cocaína. O exame foi realizado após partida do Tricolor pela Copa Sul-Americana daquele ano — uma goleada por 4 a 1 sobre o Atlético Nacional.

Além da suspensão, inicialmente de três anos, aplicada em maio de 2020, Rodolfo foi condenado a pagar multa de 20 mil dólares (cerca de 105 mil reais, na cotação da época) e obrigado a passar por controles mensais de dopagem.

O goleiro apelou contra a decisão e, na mesma época, conseguiu a redução da pena para dois anos, além de eliminar as questões da multa e do controle de dopagem.