Consórcio de veículos de imprensa completa dois anos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O consórcio de veículos de imprensa para divulgação de dados da Covid no Brasil completa, nesta quarta-feira (8), dois anos. A união inédita e histórica de Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 ocorreu em um momento em que o governo Jair Bolsonaro (PL) tomava atitudes que reduziam a quantidade e qualidade dos dados disponíveis sobre a Covid no Brasil.

No início da pandemia, o governo federal divulgava em um portal as informações sobre casos e mortes relacionados à Covid. No entanto, em meio à evolução da doença no país, passou a atrasar a divulgação diária de dados.

O horário, inicialmente, era às 17h (gestão do ministro Luiz Henrique Mandetta). Passou para as 19h e, depois, para as 22h. O horário tardio dificultava a publicação dos dados em telejornais e veículos impressos e, consequentemente, impactava a informação passada ao público.

"Acabou matéria no Jornal Nacional", chegou a dizer o presidente Bolsonaro, em tom de deboche, ao comentar a mudança, em junho de 2020, dias antes do início oficial do consórcio.

O portal com os dados da Covid no Brasil chegou a ficar mais de 19 horas fora do ar. No seu retorno, havia desaparecido o histórico com a evolução da pandemia no país e constava somente o total de casos registrados no dia em questão. Outra informação que não mais aparecia era a de mortes por data de notificação e por semana epidemiológica, alguns dos dados básicos sobre a doença. Também não havia mais a opção de fazer o download dos dados.

Os veículos, então, uniram-se para buscar as informações da doença diretamente com os estados e com o Distrito Federal. Cada um deles ficou responsável por um grupo de entes federativos.

O grupo passou ainda a usar a coleta direta com os estados como uma ferramenta de transparência e regularidade na divulgação dos dados. Por exemplo, foi graças a esse acompanhamento constante que G1 e Folha de S.Paulo verificaram e noticiaram um abismo entre os números de casos de Covid registrados pela capital paulista e os valores que o estado de São Paulo apontava para a cidade.

Com o avanço da pandemia, além dos dados de casos e mortes, o consórcio também trouxe algumas informações mais esperançosas: os números de vacinação contra a Covid --que teve um início consideravelmente lento no país, após, mais uma vez, entraves e falta de ação do governo federal.

A união inédita dos veículos brasileiros foi reconhecida.

No fim de 2021, pior ano da pandemia no Brasil, com índices de mortes elevadíssimos, o consórcio recebeu o título de mídia do ano, na modalidade mídia especializada do prêmio Aberje (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial).

Também no fim de 2021, o consórcio, com o Projeto Comprova, recebeu o Prêmio ANJ (Associação Nacional de Jornais) de liberdade de imprensa.

Em 2022, concorreu ao Sigma Awards, prêmio internacional de jornalismo de dados. A premiação internacional destacou a velocidade com que se formaram as equipes para a coleta diária de dados e o fato de que se trata de uma parceria inédita entre veículos de imprensa concorrentes.

"A missão do jornalismo de informar a população, porém, tornou necessária a tomada de ação em um momento decisivo em meio à pandemia", diz o site da premiação, que, contudo, não foi vencida pelo consórcio. "A colaboração diária entre redações jornalísticas ao redor de um objetivo em comum faz do consórcio uma iniciativa única."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos