Racismo: relembre cinco filmes que põem o dedo na ferida

'Infiltrado no Klan' traz uma crítica com tom de humor (Reprodução/IMDb)

Uma das maiores chagas da sociedade, o racismo contra os negros ainda é um problema nos dias atuais. No cinema, rende histórias emocionantes que muitas vezes cortam o coração. Conheça ou relembre cinco filmes que põem o dedo na ferida e mostram o problema do jeito que ele é.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Leia também

O Sol é para Todos (1962)

(Reprodução/IMDb/ Silver Screen Collection/Getty Images - © 2012 Silver Screen Collection)

Baseado no livro homônimo que rendeu o Prêmio Pulitzer a Harper Lee e vencedor de três Oscars, o filme mostra Atticus Finch (Gregory Peck), um advogado branco do Alabama que decide defender o negro Tom Robinson (Brock Peters), acusado de estuprar Mayella Ewell, uma moça branca, no início dos anos 1930. Conhecido por prestar serviços jurídicos gratuitos a agricultores pobres da região, Finch vê o racismo da cidade explodir diante de si.

No Calor da Noite (1967)

(Reprodução/IMDb)

Em visita ao Mississipi, Virgil Tibbs (Sidney Poitier) é preso em uma estação de trem sob acusação de assassinato de um importante empresário. Desfeito o engano, descobre-se que Tibbs é um oficial de polícia da Philadelphia. A contragosto, é designado a auxiliar a polícia local a desvendar o crime e mergulha no universo racista do sul dos EUA. Vencedor de 5 Oscars, incluindo filme, teve duas continuações e deu origem a uma série de TV.

Mississipi em Chamas (1988)

(Reprodução/IMDb)

Em um dos maiores filmes anti-racismo de todos os tempos, Willem Dafoe e Gene Hackman interpretam uma dupla de policiais que investiga o desaparecimento de três jovens ativistas negros no Mississipi em 1964. Cada nova descoberta escancara o preconceito racial impregnado em toda a sociedade sulista dos EUA, seja na política, na polícia ou na religião. Fundamental para entender e, acima de tudo, repugnar o racismo. 

Branco Sai, Preto Fica (2014)

(Reprodução/IMDb)

A frase que dá nome ao filme de Adirley Queirósse refere à fala de policiais durante uma abordagem em um baile de black music em Brasília em 1986. Anos depois, dois homens vitimados pelo incidente - um paraplégico e outro com a perna amputada - refletem sobre o que aconteceu naquela noite e recebem uma visita inusitada trazendo revelações. Combinando documentário e ficção científica, é um dos filmes mais originais dos últimos anos e ganhou o prêmio de Melhor Longa-Metragem no Festival de Brasília.

Infiltrado na Klan (2018)

(Reprodução/IMDb/© 2018 - Focus Features)

Você dificilmente acreditaria que um policial negro, de cabelo black power e tudo, consegue se infiltrar na Ku Klux Klan, a famosa organização racista do sul dos EUA, certo? Pois essa história aconteceu de verdade na década de 1970, e o livro autobiográfico de Ron Stallworth foi adaptado com brilhantismo por Spike Lee. Seu roteiro lhe valeu o primeiro Oscar da carreira e um dos melhores filmes de 2018.