Conselho de Ética da Câmara instaura processos contra Ricardo Barros e Luís Miranda

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados instaurou nesta terça-feira dois processos por quebra de decoro parlamentar. Os alvos, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR) e deputado Luís Miranda (DEM-DF), estão implicados na tentativa de compra da vacina indiana Covaxin.

Em depoimento à CPI da Covid, Miranda afirmou que Barros é o deputado ao qual Bolsonaro teria se referido ao tomar conhecimento das suspeitas de corrupção no contrato de compra da vacina indiana Covaxin. O líder do governo negou envolvimento no caso.

O pedido contra Barros é assinado por deputados do PSOL, Rede e PDT. “Ao Conselho de Ética e Decoro da Câmara dos Deputados cabe, em virtude dos fatos documentados, juntados nesta representação, que evidenciam a prática de ato incompatível com o decoro parlamentar, preservar a dignidade dos mandatos eletivos”, diz o documento.

A representação contra Miranda foi protocolada pelo PDT, partido da base aliada de Bolsonaro. No documento, a sigla afirma que o parlamentar “aliou-se a pessoas e utilizou-se situação de perigo circunstanciada pela pandemia mundial da COVID-19, a fim de criar uma narrativa com o objetivo de prejudicar o presidente da República”.

O partido entende que, de acordo com a cronologia dos fatos apresentados, “ houve má fé" na apresentação da primeira invoice (recibo) apresentado por Miranda em depoimento à CPI. Ainda de acordo com a representação, “causa estranheza” o parlamentar apresentar a versão ao Senado “ três meses depois dos fatos".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos