Conselho de Ética da Câmara rejeita nova suspensão de mandato de Daniel Silveira

·3 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 29.04.2020 - O deputado federa Daniel Silveira (PSL-RJ). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 29.04.2020 - O deputado federa Daniel Silveira (PSL-RJ). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Conselho de Ética da Câmara rejeitou nesta terça-feira (13) o parecer que recomendava a suspensão por três meses do mandato do bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ) por ter ameaçado manifestantes durante ato contra o governo de Jair Bolsonaro em maio de 2020.

O parecer, da deputada Professora Rosa Neide (PT-MT), foi rejeitado por 10 votos contrários e 9 favoráveis. A seguir, foi escolhido um novo relator, o aliado Diego Garcia (Podemos-PR), para proferir parecer mais brando contra o bolsonarista.

Garcia recomendou a censura escrita, que, ao lado da verbal, está entre as penas mais brandas do colegiado. O parecer foi aprovado por 11 votos a 5.

A representação foi aberta pela Rede Sustentabilidade, PSOL e PSB após Silveira gravar e divulgar, em 31 de maio de 2020, um vídeo em que ameaçava manifestantes durante ato contra Bolsonaro.

Os manifestantes seriam integrantes de movimento denominado antifascista.

"Vocês estão na rua o tempo inteiro dizendo que vão agredir, bater. Vou deixar um recadinho para vocês. Tem muitos policiais armados nessas manifestações que um dia um de vocês vai achar o de vocês", afirma o bolsonarista no vídeo.

"Na hora que vocês vierem, vão tomar um no meio da testa, no meio do peito e (quando) cair o primeiro, vão entender onde estão se metendo."

A seguir, disse que "o primeiro que vier, eu caço, para deixar de exemplo." "Por quê não foram lá? Ficam gritando de longe com punhos cerrados...Até que vocês vão pegar um polícia zangado no meio da multidão e dá no meio da caixa do peito e o primeiro que cair...aí vão chamar a gente de truculento."

No relatório derrotado, Rosa Neide afirmou que a postura de Silveira não era condizente com a de um deputado.

A deputada disse que, na publicação do bolsonarista, havia uma "perigosa e desnecessária incitação às forças de segurança pública (polícia militar) para que reprimam com violência o movimento antifascista, o que se mostra incompatível com a posição que deve adotar um órgão de Estado e, principalmente, um parlamentar federal, diante de toda carga de responsabilidade que carrega com a sua representação popular."

Rosa Neide afirmou que a imunidade material não tem o condão de proteger ações, condutas ou comportamentos que maculam a Constituição Federal, os Poderes da República e seus integrantes, assim como as instituições democráticas.

"Nossa avaliação é que as condutas do representado são graves e demandam uma resposta firme desse Conselho de Ética e Decoro Parlamentar e do plenário da Câmara dos Deputados, que não pode silenciar diante de tantas acusações e comportamentos que aportam, cada vez com mais frequência, em desfavor do representado, nesse Conselho de Ética."

No último dia 24 de junho, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou novamente a prisão do deputado. O parlamentar foi detido e conduzido para o IML do Rio de Janeiro para ser submetido aos exames de praxe. Depois, seria levado ao Batalhão Especial da Polícia Militar da capital fluminense.

A PGR (Procuradoria-Geral da República) apontou mais de 30 violações na tornozeleira eletrônica que Silveira tinha sido obrigado a usar desde que deixou a prisão.

Na última quarta-feira (7), o conselho de ética aprovou parecer que recomenda a suspensão por seis meses do mandato de Silveira por ter publicado um vídeo com ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal) e apologia à ditadura militar.

Em 29 de junho, o conselho aprovou parecer do deputado Alexandre Leite (DEM-SP), mas, por acordo, reduziu a suspensão do bolsonarista de quatro para dois meses.

A representação foi aberta após o deputado ter gravado e divulgado uma reunião interna do PSL em 2019. Ainda não há uma decisão sobre se as penas de Silveira, que somam 8 meses, serão cumulativas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos