Conselho de Ética da Câmara teme espionagem de Gabriel Monteiro e vai pedir varredura de escuta em gabinetes

Os integrantes do Conselho de Ética da Câmara do Rio, envolvidos no processo que poderá culminar na cassação do mandato do vereador Gabriel Monteiro (PL), vão pedir uma varredura de escutas em seus gabinetes na próxima semana. A informação é do relator do processo, o vereador Chico Alencar (Psol), e da também integrante do Conselho, Rosa Fernandes (PSC). Os parlamentares temem estarem sendo espionados por Monteiro, que é acusado de abuso sexual, estupro e assédio sexual.

Denúncia: Conselho de Ética nega pedido de Gabriel Monteiro para anulação de denúncias de quebra de decoro

Gabriel Monteiro: 'Só de ouvir a voz dele, fico com o coração acelerado', diz ex-assessora de vereador

O pedido será oficializado à Mesa Diretora da Câmara na próxima semana, após os depoimentos de todas as testemunhas de defesa do vereador, fase que começa nesta sexta-feira.

— Vamos pedir a varredura no gabinete de todos os integrantes. Até porque sabemos que o Gabriel, na sua atuação como youtuber e testemunhado aqui, que ele trabalha com campana, investigação, temos essa preocupação. O que nos cabe é pedir proteção. Vamos encaminhar à mesa diretora e eles vão determinar o que fazer. Se criou um ambiente de espionagem e medo — disse Alencar ao GLOBO, nesta sexta.

A suspeita dos vereadores surgiu após o depoimento dos ex-assessores de Monteiro, Heitor Nazaré Neto e Vinícius Hayden Witeze, que morreu em um acidente de trânsito no último sábado (28). Nazaré e Hayden informaram, no dia 25 de maio, que o vereador mandava os assessores investigarem a vida dos colegas parlamentares.

— Temo que ele esteja nos espionando. É possível, porque uma testemunha disse isso aqui. Esse é um modus operandis dele. É possível sim que estejamos sendo espionados — disse Rosa Fernandes.

Procurada, a Câmara dos Vereadores ainda não se pronunciou.

Gabriel Monteiro: após morte de ex-assessor, membro do Conselho de Ética pede reforço na segurança

Relato de ameaças: Ex-assessor de Gabriel Monteiro usa colete à prova de balas em depoimento na Câmara

Primeiras testemunhas de defesa prestam depoimento

Os integrantes do Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio começam a ouvir, nesta sexta-feira (3), as primeiras testemunhas de defesa do vereador e youtuber Gabriel Monteiro (PL). As oitavas fazem parte do processo ético-disciplinar a que ele responde na Casa por quebra de decoro parlamentar que pode culminar na sua cassação.

A partir das 10h, são aguardadas as testemunhas: Fábio Félix Ferreira, ex-assessor do vereador, e Natachi Mendonça da Silva, mãe da criança que é orientada pelo parlamentar a dizer o que ele queria gravar para um vídeo, que foi publicado nos canais do político nas redes sociais. Pedro Rafael da Silva Sorrilha, empresário e ex-amigo de Monteiro, era aguardado para também prestar depoimento, mas será ouvido apenas na próxima terça-feira, segundo o Conselho de Ética da Câmara confirmou por volta das 11h. A Casa ainda não explicou o motivo da troca de datas. Sorrilha é acusado pelo parlamentar de forjar provas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos