Conselho constitucional valida reeleição de Ouattara na Costa do Marfim

·2 minuto de leitura
O presidente do Conselho Constitucional da Costa do Marfim, Mamadou Koné, anunciou em 9 de novembro de 2020 em Abidjan os resultados oficiais das eleições presidenciais
O presidente do Conselho Constitucional da Costa do Marfim, Mamadou Koné, anunciou em 9 de novembro de 2020 em Abidjan os resultados oficiais das eleições presidenciais

O Conselho Constitucional da Costa do Marfim validou, nesta segunda-feira (9), a reeleição do presidente Alassane Ouattara, de 78 anos, para um criticado terceiro mandato.

"Alassane Ouattara foi proclamado vencedor no primeiro turno", com 94,27% dos votos, declarou o presidente do Conselho Constitucional, Mamadou Koné, que indicou que "nenhuma irregularidade grave" foi registada nas sessões eleitorais fiscalizadas.

A oposição boicotou as eleições realizadas em 31 de outubro e impediu a votação em cerca de 5.000 sessões eleitorais.

Koné garantiu que "não houve reclamação" e, como era de se esperar, o Conselho Constitucional não alterou nenhum dos resultados anunciados no dia 3 de novembro pela Comissão Eleitoral.

A taxa de participação foi de 53,9%.

Segundo o Conselho Constitucional, o candidato independente Kouadio Konan Bertin foi o segundo candidato mais votado, mas obteve apenas 1,99% dos votos.

Houve dois outros candidatos que receberam 1,6% e 0,9% dos votos.

A oposição anunciou a criação de um "Conselho Nacional de Transição" (CNT) após estas eleições, cujo resultado não reconhece.

Vários líderes da oposição foram presos e outros bloqueados em suas casas pelas forças de ordem.

Eleito em 2010 e reeleito em 2015, Alassane Ouattara anunciou em março que não se candidataria novamente, mas mudou de ideia em agosto, quando seu sucessor designado, o primeiro-ministro Amadou Gon Coulibaly, faleceu.

Na Costa do Marfim, a lei prevê apenas dois mandatos, mas o Conselho Constitucional estimou que, com a aprovação de uma nova Constituição em 2016, o contador teria de ser zerado, algo que a oposição rejeita.

Pelo menos 17 pessoas morreram nos violentos confrontos registados à margem destas eleições, aos quais se somam as trinta mortes em distúrbios e brigas entre diferentes comunidades desde agosto, quando Outtara anunciou a sua candidatura.

Nesta segunda-feira, confrontos entre moradores de comunidades rivais e com a polícia causaram a morte de seis pessoas e cerca de 40 feridos.

O medo de uma escalada de violência é grande neste país da África Ocidental, dez anos após a crise pós-eleitoral de 2010-2011 que deixou 3.000 mortos.

de-pgf/blb/bl/mb/mr/jc/mvv