Conselho da Polícia Civil de São Paulo aprova demissão de delegado Da Cunha

O Conselho da Polícia Civil de São Paulo aprovou na última semana a demissão do delegado Carlos Alberto da Cunha, conhecido como Da Cunha, por conta de ter forjado a prisão de um chefe de uma facção criminosa. O processo administrativo foi encaminhado à Secretaria da Segurança Pública e seguirá para o governador do estado, Rodrigo Garcia (PSDB), para decidir sobre a exoneração de Da Cunha do cargo.

Decálogo de um policial em apuros: como delegado, que tentou carreira nas redes sociais, pode perder cargo em São Paulo

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, ele ainda pode se tornar inelegível por conta da Lei da Ficha Limpa. Da Cunha é candidato a deputado federal por São Paulo, pelo MDB. No momento, o delegado responde a mais cinco procedimentos.

O delegado conta com 3,7 milhões de inscritos em seu canal no YouTube. Com a fama adquirida por meio dos vídeos, nos quais registra parte do seu cotidiano como delegado, ele decidiu disputar as eleições deste ano.

Vídeo: Romário se desentende com Paulo Rocha, e senadores apartam briga: 'Não bota o dedo na minha cara'

Os registros, no entanto, não tinham a autorização dos superiores, segundo a polícia. Entre os vídeos mais vistos do canal, com mais de 30 milhões de visualizações somadas, está o que registra a prisão de “Jagunço do Savoy”, suposto chefe de uma facção.

Fernando Francischini: Nunes Marques derruba decisão do TSE que cassou deputado bolsonarista

Ainda segundo a reportagem, esta prisão seria o alvo principal da decisão do Conselho, que atende a um relatório feito pela Corregedoria do estado. Procurado pelo jornal, o policial ainda não se manifestou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos