Conselho da Polícia de SP aprova demissão de Da Cunha

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Conselho da Polícia Civil de SP aprovou na semana passada a demissão do delegado Carlos Alberto da Cunha, 44, o Da Cunha, sob a suspeita de ter inventado a prisão de um chefão do PCC para ganhar seguidores nas redes sociais.

O processo administrativo com o resultado foi enviado para a Secretaria da Segurança Pública e, agora, segue para o governador Rodrigo Garcia (PSDB). Só o governador pode exonerá-lo.

Caso a saída seja confirmada, Da Cunha, que anunciou candidatura a deputado federal, pode tornar-se inelegível, conforme a Lei da Ficha Limpa.

O delegado responde a outros cinco procedimentos. Procurado pela reportagem por volta das 16h, o policial não se manifestou até a publicação desta reportagem.

As reuniões do Conselho são sigilosas. A reportagem falou, porém, com cinco integrantes da cúpula da Polícia Civil que confirmaram a decisão contra Da Cunha.

O delegado tem 3,7 milhões de inscritos no canal dele no YouTube, sucesso que o estimulou a se lançar candidato. O policial ganhou projeção com a divulgação de vídeos de operações policiais, principalmente na zona leste de São Paulo.

Essas gravações eram veiculadas nas redes sociais do delegado, mas sem autorização dos superiores, segundo a polícia. Entre os vídeos mais acessados do canal, com mais de 30 milhões de visualizações somadas, está o da prisão de Jagunço do Savoy, suposto chefe do PCC.

É sobre essa prisão que envolve a decisão do Conselho, atendendo relatório da Corregedoria.

Conforme depoimentos de policiais civis, entre eles o do então chefe dos investigadores da equipe de Da Cunha, Renato Araújo de Lima, o suspeito preso por eles em abril de 2020 não é Jagunço do Savoy, ao contrário do que sustentava o delegado Da Cunha nos vídeos.

Ele seria outra pessoa de mesmo apelido, mas não o tal chefão do PCC.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos