Conselho de Ética abre processos contra Eduardo Bolsonaro e outros cinco deputados

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Processos foram abertos contra Eduardo Bolsonaro, Carla Zambelli, Bia Kicis e outros três deputados (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)
Processos foram abertos contra Eduardo Bolsonaro, Carla Zambelli, Bia Kicis e outros três deputados (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)

Resumo da notícia

  • Coselho de Ética da Câmara abriu inquéritos para investigar Eduardo Bolsonaro e outros cinco deputados

  • Bia Kicis, Carla Zambelli e outros aliados de Bolsonaro estão entre os investigados

  • PT, PSOL e outros partidos de oposição estão envolvidos na maior parte das denúncias

O Conselho de Ética da Câmara dos deputados abriu processos para investigar seis deputados federais – todos são de partidos aliados do presidente Jair Bolsonaro (PL). As informações são do portal g1.

Os deputados envolvidos são:

  • Eduardo Bolsonaro (PL-SP)

  • Bia Kicis (PL-DF)

  • Carla Zambelli (PL-SP)

  • Éder Mauro (PL-PA)

  • Wilson Santiago (Republicanos-SP)

  • Soraya Manato (PTB-ES)

Os inquéritos foram abertos nesta quarta-feira (27) e tem o objetivo de apurar a conduta dos parlamentares. As reuniões do Conselho de Ética não aconteciam desde 23 de novembro de 2021. No início do mês, à TV Globo, o presidente do grupo, Paulo Azi (União Brasil-BA), explicou que o Conselho de Ética age quando é provocado pela Mesa Diretora da Câmara, presidida por Arthur Lira (PP-AL).

As representações contra os seis deputados estavam paradas, porque ainda não tinham sido encaminhadas para a Mesa.

Entenda os motivos pelos quais foram abertos inquéritos contra os deputados

Bia Kicis é acusada pelo PT e pelo PSOL por iniciar um motim de policiais na Bahia. Ela fez uma publicação sobre a morte do policial Wesley Soares Goes, em Salvador. À Globo, a deputada bolsonarista afirmou que a investigação é “mais uma ofensiva do PT e do PSOL” contra a imunidade parlamentar. Ela disse ainda que nunca faltou com decoro e espera o arquivamento da representação.

Já Carla Zambelli foi denunciada pelo PT. O partido afirma que a deputada incentiva a população a se armar “contra as medidas de gestores”, além de causar “pânico na sociedade”. A denúncia foi feita após Zambelli dizer que o governo de Sergipe usou um decreto de calamidade pública durante a pandemia para acabar com o direito à propriedade. Carla Zambelli não comentou as acusações.

O deputado Éder Mauro teve o inquérito aberto após um pedido do PT e do PSOL, acusado de ter feito declarações ofensivas contra colegas durante uma sessão da Comissão de Constituição e Justiça. Ao g1, o parlamentar afirmou que a acusação é um “delírio da esquerda que adentrou com várias representações contra deputados bolsonaristas”.

Contra o filho 03 do presidente, Eduardo Bolsonaro, foram instaurados dois processos: o primeiro pedido por PT e PDT acusam o deputado de se posicionar contra a máscara durante a pandemia; o segundo diz respeito à publicação em que Eduardo Bolsonaro chama mulheres de “portadores de vaginas” e foi assinado foi cinco partidos, PSB, PT, PDT, PSOL e PCdoB. O deputado não comentou a abertura dos inquéritos.

Wilton Santiago foi acusado pelo partido Novo por ter cometido os crimes de corrupção passiva e organização criminosa. O pedido inclui a cassação do deputado.

Em relação à deputada Soraya Manato, a parlamentar foi acusada pelo PT de ter feito publicações ofensivas contra o senador Humberto Costa (PT-PE).

Caso o Conselho de Ética decida dar andamento aos casos, os deputados são notificados e têm dez dias úteis para apresentar a defesa por escrito. Em seguida, as provas são colhidas, junto a depoimentos de testemunhas – esta fase pode durar até 40 dias úteis. Quando o prazo acabar, o relator tem mais 10 dias úteis para apresentar um parecer.

O documento deve, então, ser votado pelo Conselho de Ética. O prazo de tramitação no grupo é de 90 dias úteis. Quando o processo for concluído no Conselho de Ética, o acusado pode recorrer à Comissão de Constituição e Justiça. Mas, se houver o prosseguindo do caso, a votação final acontece na Câmara dos Deputados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos