Conselho de Psicologia do DF cassa registro de psicóloga que defendeu a ‘cura gay’

Conselho Regional de Psicologia do DF cassou registro de Rozângela Alves Justino por pregar a
Conselho Regional de Psicologia do DF cassou registro de Rozângela Alves Justino por pregar a "cura gay" e a impediu de atuar na profissão. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Rozângela Alves Justino teve o registro profissional de Psicologia cassado pelo Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal (CRP-DF) nesta sexta-feira (18) por defender a prática da chamada 'cura gay'.

A metodologia promete oferecer terapia de reversão sexual aos seus pacientes. Rozângela foi uma das autoras do projeto aprovado em 2017 e, que, logo em seguida, deixou de valer.

O pedido de cassação foi impetrado pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT).

Com a decisão, Rozângela está impedida de manter atendimento a pacientes em todo o país. Caso continue, poderá responder por exercício ilegal da profissão.

Âmbito nacional

A psicóloga chegou a ser censurada, em 2009, pelo Conselho Federal de Psicologia (CFM) em razão de oferecer a suposta terapia a seus pacientes. Ela também tentou concorrer ao comando nacional da entidade, mas a chapa foi derrotada em 2019.

“Tendo em vista a gravidade da penalidade e pelo processo ser originário do CRP-RJ, as informações serão em ato formal publicado no sítio eletrônico do Conselho, consoante estabelece a legislação específica”, declarou a presidente do Conselho Regional de Psicologia do DF, Thessa Guimarães, em entrevista ao Metrópoles.

Crime

Nos últimos anos, vários países aprovaram projetos contra a “cura gay”. Na terça-feira (15), o parlamento da Nova Zelândia aprovou uma lei que proíbe “terapias de conversão sexual” ou práticas de “cura gay”. O projeto recebeu 112 votos favoráveis e apenas 8 contrários.

Em janeiro, 142 membros do Parlamento da França aprovaram uma lei que criminaliza o que é chamado no país de “terapia de reorientação sexual”. Qualquer tentativa de tratar clinicamente pessoas por não seguirem a heterossexualidade normativa será tratado pelas autoridades francesas como crime, de acordo com a nova decisão.

No final de 2021, o Canadá também oficializou a proibição dos chamados “tratamentos de conversão”, que buscam mudar a orientação sexual ou identidade de gênero de uma pessoa. A lei entrou em vigor no dia 7 de janeiro deste ano.