Conselho Diretor do Flamengo move processo que pode expulsar sócio opositor

Marcello Neves e Diogo Dantas
·1 minuto de leitura

O Conselho Diretor do Flamengo, formado pelo presidente Rodolfo Landim e outros membros da diretoria, moveu um processo interno contra o sócio Rodrigo Rotzsch, do grupo político 'Flamengo da gente', com a alegação de que teria "desencadeado prejuízos à imagem do clube". Rotzsch é um opositor da atual gestão do Rubro-Negro.

Segundo a comissão, o sócio teria violado três artigos do estatuto do clube e, se punido, pode pegar gancho de até 360 dias ou ser excluído do quadro social do Flamengo. A alegação tem a ver com questionamentos sobre os protocolos adotados pelo Rubro-Negro para evitar o contágio de atletas e funcionários em meio à pandemia da Covid-19.

Ao EXTRA, Rodrigo Rotzsch explicou a situação e se defendeu. As declarações foram datas em live do canal do jornalista Mauro Cézar, que publicou a informação inicialmente. Posteriormente, o grupo político 'Flamengo da gente' também emitiu nota.

— Sócios normais (proprietário e conselheiro no meu caso) são julgados em primeira instância pelo Conselho Diretor. Só que meu caso é sui generis porque o autor da denúncia é o próprio Conselho Diretor. Quem se diz ofendido por mim é o próprio Landim (e Dunshee). E quem nomeou a comissão de inquérito foi o próprio Conselho Diretor. Eu não tenho direito a recurso ao Code (Conselho Deliberativo). Se eu for suspenso, depois o Code pode me anistiar da punição. Mas se eu for expulso o Code não pode fazer nada — afirmou.

O caso será julgado em primeira instância pelo próprio Conselho Diretor, que entrou com a denúncia. Se condenado, o opositor poderá recorrer, internamente, ao Conselho de Administração.