Conselho Europeu é contra extradição de Assange para os EUA

(Arquivo) O fundador do Wikileaks, Julian Assange

A extradição de Julian Assange para os Estados Unidos, onde é acusado de espionagem, teria um "efeito assustador sobre a liberdade de imprensa" - alertou nesta quinta-feira (20) a comissária para os Direitos Humanos do Conselho Europeu, Dunja Mijatovic.

A "possível extradição" do fundador do WikiLeaks, atualmente detido no Reino Unido, "tem implicações em termos de direitos humanos que vão muito além de seu caso individual", afirmou Mijatovic em comunicado.

"As acusações gerais e vagas contra (ele) e os crimes mencionados na acusação (contra ele) são perturbadores, pois muitos deles se relacionam com atividades que estão no cerne do jornalismo investigativo", insistiu a comissária.

"Permitir a extradição de Julian Assange com base nisso "teria um efeito assustador sobre a liberdade de imprensa e poderia impedir os veículos de comunicação de executar sua tarefa de fornecer informações e de ser guardiões nas sociedades democráticas", completou Mijatovic.

O relator especial da ONU sobre tortura, Nils Melzner, também estimou que, em caso de extradição, "tanto as condições de detenção nos Estados Unidos quanto a sentença que poderia ser imposta" pelas autoridades judiciais americanas representam um risco de tortura, ou de tratamento desumano ou degradante, acrescentou a comissária.

Julian Assange "não deve ser extraditado", conclui Mijatovic, que diz que continuará "monitorando de perto" a situação do ativista australiano.

Detido em Belmarsh, sul de Londres, desde sua prisão em abril de 2019 na embaixada do Equador, Julian Assange, de 48 anos, é reivindicado por Washington. Ele pode pegar até 175 anos de prisão nos Estados Unidos por espionagem.

As autoridades americanas o acusam de ter colocado em risco algumas de suas fontes, no momento da publicação em 2010 de 250.000 telegramas diplomáticos e de cerca de 500.000 documentos confidenciais relacionados às atividades do Exército americano no Iraque e no Afeganistão.