Conselho de Segurança da ONU pede libertação da líder deposta de Mianmar

·1 minuto de leitura
Aung San Suu Kyi durante entrevista

(Reuters) - O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) pediu a libertação da líder de Mianmar, Aung San Suu Kyi, e de outros detidos pelas Forças Armadas do país e expressou preocupação em relação ao estado de emergência imposto no país, mas não chegou a condenar o golpe ocorrido nesta semana.

O governo do presidente norte-americano Joe Biden avalia uma resposta em forma de decreto presidencial ao golpe e que pode incluir algumas sanções, afirmou o conselheiro de Segurança Nacional Jake Sullivan.

A longa e problemática transição de Mianmar para a democracia saiu dos trilhos na segunda-feira, quando o comandante do Exército Min Aung Hlaing tomou o poder, alegando irregularidades em uma eleição no último mês de novembro que foi vencida por Suu Kyi com maioria expressiva dos votos.

O Conselho de Segurança da ONU, composto por 15 membros, disse em nota emitida por consenso na quinta-feira que "ressalta a necessidade de manter instituições e processos democráticos, a abstenção de violência, e o respeito total aos direitos humanos, às liberdades fundamentais e ao Estado de Direito".

A linguagem na nota foi mais branda do que a originalmente escrita pelo Reino Unido e não fez menção a um golpe - aparentemente para conquistar o apoio da China e da Rússia, que tradicionalmente protegem Mianmar de ações significativas do Conselho. A China também tem grandes interesses econômicos em Mianmar.

Um porta-voz da missão chinesa na ONU disse que Pequim espera que as principais mensagens no comunicado "possam ser atendidas por todos os lados e levem a um resultado positivo" para o país vizinho.

A Reuters não conseguiu contatar imediatamente o governo de Mianmar para solicitar um comentário.

(Reportagem Redação Reuters)