Consignado do Auxílio Brasil: como cancelar o empréstimo indevido do benefício

Auxilio-Brasil-App.jpg

Os beneficiários do Auxílio Brasil que tiveram descontos de empréstimo consignado indevidos podem cancelar o crédito. Segundo o banco, o beneficiário que não reconhecer a contratação de empréstimo consignado, com parcela debitada indevidamente em seu benefício, deve ligar para o canal de atendimento do Ministério da Cidadania, pelo número 121, para verificar a instituição financeira onde o contrato foi celebrado e solicitar o ressarcimento.

Caso o cliente identifique algum desconto supostamente incorreto no seu benefício na Caixa, o banco solicita que ele se dirija a uma agência com CPF e documento de identificação com foto para que seja providenciada a correção necessária.

Segundo o banco, não haverá nenhuma cobrança por isso. O valor total do contrato deverá estar na conta na data que pedir o cancelamento.

Conforme o EXTRA mostrou no início do mês muitas pessoas reclamaram do desconto antecipado da parcela do consignado e alguns que sequer pediram o crédito mas mesmo assim tiveram desconto.

Paola de Carvalho, diretora da Rede Brasileira de Renda Básica, acompanha os casos desde que a consulta ao valor do benefício de novembro foi liberada pelo aplicativo. Na maioria deles, o desconto da parcela será de R$ 160. Para ela, não há orientações claras sobre o que fazer.

– As famílias estão para lá e para cá. Não há uma orientação–, diz Paola, que busca uma ação coletiva judicial para resolução do problema.

Caixa Econômica Federal informou, na última quinta-feira (10), que irá cancelar os descontos indevidos. Para isso, no entanto, o cidadão precisa fazer o pedido. Sobre a parcela de novembro, o banco está enviando mensagens aos beneficiários pelo aplicativo Caixa Tem. Confira abaixo:

O desconto vem sendo alvo de reclamação: para muitas pessoas, o aplicativo Caixa Tem mostra valores próximos a R$ 240 a serem recebidos no próximo calendário de pagamentos – já com o desconto da primeira parcela do consignado, e também sem os R$ 200 complementares, previstos para serem pagos até dezembro.

A confusão ocorreu porque houve falha na informação fornecida pela Caixa: no contrato aparece a data 7 de dezembro no campo "primeira parcela". A data, no entanto, é o dia do repasse da parcela do Ministério da Cidadania para o banco.

Para as pessoas que não solicitaram o empréstimo, mas estão com os descontos programados no extrato do benefício, a Caixa informa que "será providenciada a correção necessária", caso o crédito tenha sido tomado por meio do banco estatal.

Os beneficiários que não reconhecem o consignado ou que não querem mais o dinheiro têm até sete dias para desistir do empréstimo, contados a partir da liberação do dinheiro. Primeiro, é preciso identificar a instituição financeira que realizou o empréstimo.

Para isso, o cidadão deve ligar no 121, do Ministério da Cidadania, e informar o CPF. Depois de receber a informação sobre qual é o banco do empréstimo, é necessário fazer contato.

Caso o contrato tenha sido fechado com a Caixa Econômica Federal, o cancelamento é feito diretamente nas agências. É necessário levar CPF e um documento com foto.

O cancelamento também pode ser feito por quem pediu o consignado, mas se arrependeu. Mas para isso, é preciso que o dinheiro não tenha sido retirado.