Construção civil tem melhor desempenho desde o 1º trimestre de 2014

Pedro Capetti e Gabriel Martins
Imóvel em construção

RIO - O setor da construção civil apresentou no terceiro trimestre de 2018 o melhor desempenho para o setor desde o primeiro trimestre de 2014, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Com base nesse mesmo tipo de comparação, a construção acumula alta de 4,4% neste ano, ante o resultado de 2018. Os dados foram divulgados nesta terça-feira pelo IBGE. O resultado foi impulsionado pelo setor imobiliário e pelo aumento da ocupação de 1,3% segundo dados da Pnad Contínua. A economia brasileira avançou 0,6% no terceiro trimestre de 2019, na comparação com os três meses anteriores. A construção civil é apontada como um bom termômetro para investimentos e emprego, pois mobiliza muita mão de obra. O motor desse segmento costuma ser um misto de ganho de renda da população, confiança do empresariado e das famílias de que dias melhores virão e investimento público, cada vez mais restrito.

— É um crescimento puxado principalmente pela construção imobiliária, não pela infraestrutura. A construção cresceu esses dois trimestres, mas ainda está 30% abaixo do maior dado, que foi no primeiro trimestre de 2014 — ressalta Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais.

Apesar do resultado positivo, o nível de desempenho da construção ainda está 30% abaixo do maiornível registrado para atividade econômica, no primeiro de 2014.

Carne:Com apetite chinês, preços da carne podem ficar altos por O resultado para o trimestre acompanha a alta registrada no segundo trimestre de 2019, quando foi interrompida a série de 20 trimestres consecutivos, na comparação anual, de retração do setor. Além disso, acumula o segundo trimestre consecutivo de avanço da atividade econômica, tanto na comparação anual quanto na trimestral. Nessa última, apresenta alta de 1,3%Segundo dados divulgados pelo IBGE, a economia brasileira avançou 0,6 % no terceiro trimestre de 2019, na comparação com os três meses anteriores, divulgou o IBGE nesta terça-feira. Analistas projetavam que o Produto Interno Bruto ( PIB ) do país registrasse alta de 0,4%, de acordo com a mediana das projeções compiladas pela agência Bloomberg.Apesar da recuperação, a economia brasileira está no mesmo patamar do terceiro trimestre de 2012 e 3,6% abaixo do pico de produção anterior à crise, registrado no primeiro trimestre de 2014.