‘A construção da verdadeira democracia pressupõe o culto à tolerância, à ordem e à paz social’, dizem comandantes das Forças Armadas

Os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica divulgaram uma nota nesta sexta-feira afirmando que a "construção da verdadeira democracia pressupõe o culto à tolerância, à ordem e à paz social". No comunicado, os chefes das Forças Armadas dizem que a os militares estão focados no seu "papel constitucional" e reafirmam o "compromisso irrestrito e inabalável com o povo brasileiro, com a democracia e com a harmonia política e social do Brasil".

Leia: Sonia Guajajara é o primeiro nome de consenso para Ministério do governo Lula

Em Santa Catarina: Vereadoras sofrem pedidos de cassação e são perseguidas e ameaçadas após denunciarem gestos nazistas

A nota é assinada pelo almirante de esquadra Almir Garnier dos Santos (Marinha), pelo general Marco Antônio Freire Gomes (Exército) e pelo tenente-brigadeiro do ar Carlos de Almeida Baptista Junior (Aeronáutica) e foi divulgada em meio a atos realizados em frentes a unidades militares do país.

O comunicado faz menção às "manifestações populares que vêm ocorrendo em inúmeros locais do país", reforça que são permitidas pela lei e condenam "eventuais excessos" que "possam restringir os direitos individuais e coletivos".

Entenda: Às vésperas da COP27, os dilemas de Lula sobre Marina Silva no Meio Ambiente

"São condenáveis tanto eventuais restrições a direitos, por parte de agentes públicos, quanto eventuais excessos cometidos em manifestações que possam restringir os direitos individuais e coletivos ou colocar em risco a segurança pública; bem como quaisquer ações, de indivíduos ou de entidades, públicas ou privadas, que alimentem a desarmonia na sociedade", diz o texto.

A nota afirma ainda que as "autoridades da República" devem estar atentas "a todas as demandas legais e legítimas da população" e reitera "a crença na importância da independência dos Poderes, em particular do Legislativo, Casa do Povo, destinatário natural dos anseios e pleitos da população, em nome da qual legisla e atua".