Consulta pública sobre vacinação de crianças atinge limite de respostas após menos de 3 h no ar

·1 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 13.09.2021 - Vacinação com o imunizante da Pfizer, contra a Covid-19, na UBS Humaitá, em São Paulo. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 13.09.2021 - Vacinação com o imunizante da Pfizer, contra a Covid-19, na UBS Humaitá, em São Paulo. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A consulta pública do Ministério da Saúde sobre a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19 já não aceita mais respostas, após menos de três horas no ar, nesta sexta-feira (24).

É possível preencher o cadastro e responder às 19 questões, mas não enviá-las. O sistema do ministério dá a seguinte mensagem: "O número máximo de pessoas já respondeu a este formulário".

Dentre as perguntas da pasta, há uma em que questiona se o internauta concorda com a vacinação desta faixa etária. Em outras, se concorda com a proposta da Saúde, anunciada na quinta-feira (24) pelo ministro Marcelo Queiroga, de exigir termo de consentimento dos pais e uma prescrição médica para a imunização das crianças.

A Folha de S.Paulo questionou o Ministério da Saúde sobre o fechamento da consulta pública na manhã desta sexta (24), mas a pasta ainda não se pronunciou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos