Consultoria de Moro já recebeu mais de R$ 30 milhões de empresas investigadas na Lava Jato

Ana Paula Ramos
·2 minuto de leitura
BRASILIA, BRAZIL - APRIL 24: Minister of Justice Sergio Moro speaks during a press conference to announce his resignation after president Bolsonaro dismissed Federal Police Chief Mauricio Valeixo at the Justice Ministry in Brasilia, Brazil, on April 24, 2020 in Brasilia. (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)
Sergio Moro deixou o governo Bolsonaro em abril após acusar o presidente de interferência política na Polícia Federal (Photo by Andressa Anholete/Getty Images)

A consultoria norte-americana Alvarez & Marsal, empresa da qual Sergio Moro acaba de se tornar sócio-diretor, já faturou R$ 17,6 milhões com o processo de recuperação judicial do grupo Odebrecht, segundo reportagem do UOL.

O conglomerado de empresas recorreu à Justiça para tentar renegociar suas dívidas e escapar da falência depois de ter sido investigado pela Operação Lava Jato, em cujos processos Moro foi juiz.

Leia também

A consultoria foi nomeada em junho do ano passado pela Justiça de São Paulo como administradora-judicial no processo de recuperação da Odebrecht. A empresa tem direito a receber pelo serviço honorários que hoje chegam a R$ 1,1 milhão por mês.

A reportagem do UOL apurou que a Alvarez & Marsal já recebeu a soma de R$ 17,6 milhões pela recuperação da Odebrecht. A previsão é de que recebe um total de R$ 22,4 milhões por 30 meses de trabalho na causa.

O juiz João de Oliveira Rodrigues Filho, da 1ª Vara de Falências de São Paulo, fixou a parcela mensal, mas o valor do montante final ao qual a empresa terá direito por sua atuação no processo ainda não foi definido pela Justiça.

A nova empresa de Sergio Moro havia solicitado em 2019 receber R$ 1,5 milhão por mês em honorários. A Odebrecht, por sua vez, pediu à Justiça que os honorários sejam reduzidos a R$ 400 mil por mês a partir de novembro, chegando a R$ 300 mil mensais a partir de maio do ano que vem.

A Alvarez & Marsal também foi nomeada pela Justiça para administrar o processo envolvendo a empreiteira OAS, que também entrou em recuperação judicial após ser implicada na investigação da Lava Jato. Pelo serviço, recebeu R$ 15 milhões.

A construtora Queiroz Galvão contratou ainda a consultoria da Alvarez & Marsal para se reestruturar financeiramente da crise após ser investigada pela força-tarefa.

A decisão de Sergio Moro de se tornar sócio-diretor da consultoria foi questionada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que pediu esclarecimentos sobre seu novo trabalho.

Além disso, o ex-juiz foi alvo de críticas.

"Não conheço os termos, mas acho que ele deu um tiro no próprio saco e não no pé. As sequelas são piores", disse o senador Major Olímpio (PSL-SP), um dos principais defensores de Sergio Moro.