Consumo de maconha ilegal cai no Uruguai após regulamentação do mercado

O consumo de maconha ilegal prensada caiu consideravelmente entre 2014 e 2018 no Uruguai após a aprovação de uma lei que regula o mercado de uso recreativo de cannabis no país

O consumo de maconha ilegal prensada caiu consideravelmente entre 2014 e 2018 no Uruguai após a aprovação de uma lei que regula o mercado de uso recreativo de cannabis, informou o governo nesta quarta-feira.

De 2014 a 2018, o tráfico de drogas clássico (prensagem) passou de 58% para 11% do consumo total dessa droga, de acordo com o monitoramento anual da lei apresentada nesta quarta pelo Instituto de Regulação e Controle da Cannabis ( IRCCA) e a junta Nacional de Drogas (JND).

Em 2018, o mercado regulamentado atingiu um terço dos consumidores, que compraram a droga em farmácias, a partir de plantas cultivadas em casa ou em clubes de cannabis, os três mecanismos que a lei aprovada em 2013 permite produzir a substância.

O Uruguai aprovou em 2013 uma lei inovadora que permite a venda em farmácias de maconha provenientes plantações de permissionários privados sob controle estatal, além de culturas domésticas e cooperativas.

O objetivo das autoridades da Frente Ampla (esquerda) era conquistar espaços de mercado que pertenciam ao narcotráfico.

O número de consumidores permanece estável, com 14,6% dos uruguaios utilizando a maconha para fins recreativos.

Desde o início da venda de maconha nas farmácias, em 19 de julho de 2017 até 31 de outubro de 2019, 3.351 kg da droga foram comercializados para fins recreativos, em envelopes selados de 5 gramas, sendo que cada consumidor pode comprar até 40 gramas por mês.

No Uruguai, 38.771 pessoas têm permissão para comprar em 17 farmácias do país; Cerca de 8 mil pessoas registraram-se para cultivo em casa, com até seis plantas por família, e os 145 clubes possuem 4.246 membros.