Conta que reclamou de "entregador negro" em entrega foi clonada, diz defesa

·1 min de leitura
Cliente reclama de
Cliente reclama de "entregador negro" após fazer pedido em aplicativo e causa protesto em Goiânia
  • Conta que reclamou de "entregador negro" em aplicativo e de um adolescente e foi clonada, diz defesa

  • Pelo iFood, a conta avaliou mal o estabelecimento e justificou com mensagem racista

  • O caso foi registrado e será investigado pela Polícia Civil

A conta que reclamou de um "entregador negro" após receber um pedido por aplicativo pertence a um adolescente de 15 anos, mas ele não foi o autor do comentário racista, afirmou a defesa dos responsáveis do menor de idade.

Segundo a advogada Fabiana Castro, o cliente foi vítima de golpistas que fizerem compras no nome dele em várias partes do país. "[O adolescente] não mandou aquela mensagem. Nós descobrimos que ele teve o perfil clonado porque, no histórico de compras, tem registros de compras feitas em Aracaju (SE), Penedo (AL), locais que ele nunca foi", explicou ao portal G1.

O caso aconteceu em Goiânia, na última quinta-feira (21), por volta da meia-noite, segundo afirmou ao G1 o entregador Cleiton Cruvinel, de 41 anos: "O rapaz desceu e senti que ele me olhou indiferente. Quando voltei para a lanchonete vi o comentário no aplicativo. E olha que não sou negro, mas estava de máscara. Muito constrangedor. Estou abalado".

O dono do estabelecimento, Wanderley Souza Costa Junior, de 24 anos, contou que, assim que o cliente fez o pedido, enviou uma mensagem no chat solicitando informações sobre a entrega. "Ele pediu um açaí e mandou mensagem no chat pedindo para ser informado sobre a localização do entregador. Disse que não queria que tocasse o interfone", disse ao G1.

Após a repercussão do caso, um grupo de entregadores foi à porta do condomínio de onde foi pedido o lanche e fez um buzinaço contra racismo. Os organizadores informaram que mais de 100 motociclistas participaram do ato.

O iFood, aplicativo pelo qual foi enviada a mensagem racista, divulgou uma nota publicada pelo portal G1:

O iFood lamenta o caso e reforça que repudia qualquer ato de discriminação. A empresa preza por relações e ambientes seguros e livres de assédios, preconceitos e intimidação em todas ações que realiza, sempre baseado em respeito, conforme os valores presentes em seu Código de Ética e Conduta.

Por conta desse episódio, foi dado início a um processo de investigação interno para que as devidas providências sejam tomadas, incluindo o descadastramento do cliente. O iFood esclarece ainda que o entregador trabalha direto para o restaurante e, por isso, a empresa também acionou o estabelecimento para também poder prestar suporte ao entregador envolvido neste caso.

O iFood ressalta a importância de que sejam registrados em Boletins de Ocorrência junto às autoridades de segurança pública e segue à disposição para colaborar com as investigações, caso seja solicitada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos