Contra avanço da Covid-19, polícia interrompe festa que reunia 500 pessoas em SP

Ana Letícia Leão
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO - A Polícia Civil de São Paulo encerrou uma festa clandestina que reunia cerca de 500 pessoas na Zona Sul de São Paulo, na madrugada deste sábado. De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), o grupo estava aglomerado, sem máscaras e descumprindo medidas de proteção contra a Covid-19. O estabelecimento fica na Estrada de Itapecerica.

A fiscalização de aglomerações e baladas clandestinas têm sido intensificadas em São Paulo para conter o avanço do novo coronavírus. Eventos, bares e restaurantes, por exemplo, estão proibidos já na fase vermelha em que o estado se encontra. A partir da segunda-feira, SP irá para a chamada fase emergencial do plano de contenção da Covid-19, em que as medidas sanitárias ficam ainda mais rígidas. Estabelecimentos e festas do tipo estão proibidos de funcionar até 30 de março, segundo orientações do governo paulista.Leia mais:Internações por Síndrome Respiratória crescem entre crianças durante pico da pandemia de Covid-19

A festa que reunia mais de 500 jovens foi interrompida depois que agentes da Vigilância Sanitária e do Procon-SP foram acionados. O estabelecimento foi multado. No local, a polícia apreendeu três máquinas de cartões, mil convites, um simulacro de arma de fogo, frascos de entorpecentes e cerca de 30 papelotes de cocaína, segundo a SSP.

O homem apontado como organizador do evento será investigado. O caso foi encaminhado ao Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania, onde foi registrado um termo circunstanciado de infração de medida sanitária preventiva.

— Estamos vivendo uma situação caótica, com hospitais sem vagas em UTIs, e jovens ainda agem de forma inconsequente, realizando esse tipo de evento clandestino. O momento exige que, por cautela, festas não sejam realizadas para evitar a disseminação do vírus — afirmou Carlos César Marera, diretor de fiscalização do Procon-SP.Vacina:Anvisa dá registro definitivo ao imunizante contra Covid-19 da AstraZeneca

Uma outra abordagem também na madrugada ocorreu na Freguesia do Ó, Zona Norte da capital paulista. A vigilância Sanitária chegou ao local antes do evento começar, após denúncia de que haveria uma festa clandestina.

— Fomos até o local onde já havia a presença de funcionários organizando o ambiente. Lavramos um auto de infração pelo descumprimento do decreto estadual que estabelece as medidas de quarentena na fase vermelha e interditamos cautelarmente o estabelecimento — , relatou Rubens José Mário Júnior, agente de fiscalização da Vigilância Sanitária Estadual.

Durante a madrugada deste sábado, 17 estabelecimentos da capital foram autuados por descumprimentos das novas normas de segurança para conter o avanço da Covid-19. Desses, quatro foram multados por provocar aglomerações e estar funcionando fora do horário permitido.

Desde o início das fiscalizações do cumprimento das medidas sanitárias, o Procon-SP autuou 100 estabelecimentos por desrespeito à normas, sendo que 636 foram fiscalizados. As empresas autuadas pagam multas que podem chegar a R$ 10 milhões, segundo o Código de Defesa do Consumidor.