Contra negacionismo, Europa luta para preservar memória 80 anos após Holocausto

·2 min de leitura

Oito décadas depois do massacre que matou quase seis milhões de judeus, historiadores do velho continente ainda lutam para manter viva a memória do Holocausto, principalmente diante do avanço da extrema direita, que muitas vezes distorce ou minimiza o massacre. Alguns países ainda tentam eximir sua responsabilidade, apoiados por responsáveis políticos que manipulam a história.

Olivier Favier, da RFI

Em 20 de janeiro de 1942, quinze funcionários do alto escalão do 3° Reich se reuniam em uma mansão ao sudeste de Berlim para organizar a “solução final”, nome dado a uma estratégia que já vinha sendo implementada há alguns meses na Europa, impulsionada por Adolf Hitler. A expressão era usada para definir o genocídio dos judeus dos territórios ocupados pela Alemanha e, em seguida, no mundo inteiro.

Dos mais de 9 milhões de judeus presentes na Europa, quase dois terços foram mortos entre 1941 e 1945. Segundo as estimativas do historiador Raoul Hilberg, 2,7 milhões foram eliminados nas câmaras de gás e 1,3 milhão foram fuzilados ao ar livre.

É esse caráter organizado e em escala industrial que faz desse genocídio um fenômeno único. Mesmo se o Holocausto é às vezes comparado em extensão e horror a outros massacres em massa realizados no século XX, como o dos tutsis em Ruanda, a Shoah entrou para a história por sua extensão geográfica e pela execução metódica dessa aniquilação.

Os sobreviventes desse episódio são cada vez menos numerosos e a narrativa se concentra agora principalmente nas mãos dos historiadores, cada vez menos dependentes de relatos dos que presenciaram os horrores.


Leia mais

Leia também:
Israel: 900 sobreviventes do Holocausto morreram por Covid-19 em 2020
Jornal Libération reporta julgamento de ex-agente da SS que revisita os horrores nazistas
Briga entre Rússia e Polônia sobre Holocausto se acirra antes de aniversário da libertação de Auschwitz

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos