Contrabandista que levou 'Round 6' para Coreia do Norte é condenado à morte, diz site

·1 min de leitura

Um contrabandista que levou cópias do K-drama "Round 6", a série mais assistida da história da Netflix, para a Coreia do Norte foi condenado à morte após autoridades flagrarem estudantes do ensino médio assistindo ao programa, informou a "Radio Free Asia (RFA)", sediada nos EUA. Segundo a agência de notícias, a série entrou no país pela China em pen drives. A pena poderá ser executada pelo pelotão de fuzilamento.

As autoridades teriam determinado ainda que um dos aluno fosse condenado à prisão perpétua por ter efetuado a compra e outros seis fossem sentenciados a cinco anos de trabalho forçado. Já professores e outros funcionários da escola foram demitidos, podendo ser enviados a executarem serviços em minas remotas.

A lei norte-coreana “Eliminação do Pensamento e Cultura Reacionários”, aprovada em dezembro de 2020, proíbe o comércio e divulgação de filmes, música e livros no país visando a intensificar o afastamento da mídia da Coreia do Sul e dos Estados Unidos.

A mídia do regime de Kim Jong-un já havia dito que o K-drama mostra a "triste realidade" da Coreia do Sul, marcada por "corrupção e canalhas imorais" numa "sociedade desigual onde pessoas sem dinheiro são tratadas como peças de xadrez para os ricos".

Em "Round 6", 456 pessoas endividadas ou com extrema necessidade financeira são convidadas para ingressarem numa competição de jogos infantis com um prêmio equivalente a R$ 208,8 milhões para quem vencer as seis brincadeiras propostas. No entanto, quem perder torna-se "eliminado", sendo imediatamente morto, em cenas de violência impróprias para o público infantil, de forma que a classificação etária foi estabelecida em 16 anos. O sireitor e criador do K-drama, Hwang Dong-hyuk, confirmou que haverá uma segudna temporada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos