Contrabandistas jogam crianças por cima de muro de 4 metros na fronteira dos EUA

·2 minuto de leitura
***Arquivo**Cidade Juarez, Mexico. 04/04/2017. ESPECIAL MUROS. Protesto de ativistas no muro de ferro recém construído em Anapra, distrito de Cidade Juarez, Mexico, na fronteira com  Sunland Park no Novo México, EUA. ( Foto: Lalo de Almeida / Folhapress  )
***Arquivo**Cidade Juarez, Mexico. 04/04/2017. ESPECIAL MUROS. Protesto de ativistas no muro de ferro recém construído em Anapra, distrito de Cidade Juarez, Mexico, na fronteira com Sunland Park no Novo México, EUA. ( Foto: Lalo de Almeida / Folhapress )

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Agentes de fronteira dos EUA flagraram o momento em que duas crianças foram jogadas por cima de um muro na fronteira com o México, na noite de terça (30).

O caso ocorreu na região de Santa Teresa, no Novo México. As imagens, captadas por câmeras de segurança, mostram duas meninas pequenas sendo jogadas de uma altura de cerca de quatro metros. Depois que elas caem no chão, dois traficantes fogem da área e as deixam sozinhas.

As meninas são irmãs e equatorianas. Uma delas tem três anos de idade, e a outra, cinco. Elas foram resgatadas e levadas para atendimento médico e passam bem. Em seguida, foram levadas para um alojamento de imigrantes.

"Estou chocada com a forma que estes contrabandistas jogaram crianças inocentes por uma barreira de 14 pés (4,2 metros) de altura. Se não fosse pela vigilância dos agentes, essas duas irmãs teriam sido expostas por horas às duras condições do deserto", disse Gloria Chavez, chefe da patrulha de fronteira no setor de El Paso.

Os EUA enfrentam o maior aumento de migrantes dos últimos 20 anos. A piora nas condições econômicas gerada pela pandemia e por desastres naturais tem levado mais pessoas da América Latina a tentar imigrar. Os números de capturas na fronteira vêm subindo desde abril de 2020.

Autoridades dos EUA calculam que até 184 mil crianças migrantes desacompanhadas cheguem à divisa com o México neste ano. A situação é um desafio para o presidente americano, Joe Biden, que enfrenta dificuldades para acolher um número crescente de menores, principalmente vindos da América Central.

Se os números se confirmarem, será o maior fluxo já registrado desde 2010, quando começa a série histórica. Até agora, o ano com maior número de apreensões de menores desacompanhados foi 2019, ainda na gestão de Donald Trump, quando 76 mil crianças e adolescentes chegaram sozinhos à fronteira.

Março também deve ser o mês que registrou a maior quantidade de menores desacompanhados, com 15 mil cruzando a fronteira com o México, segundo o CBP --os dados oficiais devem ser publicados no início de abril. Assim, o período desbancaria maio de 2019, quando 11,5 mil crianças foram apreendidas.

Há lotação nos abrigos para onde as crianças devem ser encaminhadas em até 72 horas após a apreensão. Até segunda (29), eram 12 mil sob custódia.

Para lidar com a demanda, o governo Biden lançou um esforço no final de março para criar mais 16 mil vagas, segundo a emissora americana CBS. Em outro movimento, o Departamento de Segurança Doméstica dos Estados Unidos determinou que uma agência normalmente encarregada de responder a enchentes e furacões ajude a cuidar de um número crescente de crianças migrantes que chegam à fronteira com o México.