Controladores aéreos encerram greve que suspendeu mais de 70 voos na Bolívia

Valeria PACHECO
·2 minuto de leitura
Mulher espera no aeroporto de El Alto, após seu voo ter sido cancelado devido à greve de controladores de voo na Bolívia, em 21 de outubro de 2020
Mulher espera no aeroporto de El Alto, após seu voo ter sido cancelado devido à greve de controladores de voo na Bolívia, em 21 de outubro de 2020

Os controladores de tráfego aéreo bolivianos e o governo chegaram a um acordo nesta quarta-feira (21) sobre demandas trabalhistas para encerar uma paralisação das operações que durou várias horas e causou a suspensão de mais de 70 voos nacionais e internacionais e deixou centenas de passageiros bloqueados três dias após as eleições presidenciais. 

O sindicato que reúne controladores de tráfego aéreo (Aasana) iniciou a greve à 00h00 local (01h de Brasília) desta quarta-feira em todos os aeroportos do país, inclusive os internacionais de El Alto, Santa Cruz e Cochabamba, disse à AFP o líder Alvaro Guzmán. 

"Há dois anos não nos reconhecem como trabalhadores cobertos pela legislação geral do trabalho", que prevê benefícios como aposentadoria e pensão para as famílias em caso de morte de um empregado, explicou Guzmán na sede do sindicato no aeroporto de El Alto. 

Catorze horas depois de iniciada a paralisação, o ministro de Obras Públicas, Iván Arias, acordou com o sindicato e autoridades do Aasana "suspender imediatamente as medidas de pressão e a retomada das operações em todos os aeroportos", informou a pasta em um comunicado.

O sindicato, com 1.200 colaboradores que operam 39 aeroportos e aeródromos do país, também receberá um saldo restante de salários atrasados de agosto e setembro, acrescentou a nota.

Arias qualificou a greve como uma "intransigência total" dos dirigentes sindicais.

Alguns voos poderão ser retomados, embora a maior parte terá que ser reprogramada.

Os aeroportos bolivianos retomaram suas operações em junho, após uma paralisação em março pelas restrições relacionadas com a pandemia do novo coronavírus.

A greve ameaçava deixar bloqueados dezenas de observadores internacionais e jornalistas enviados à Bolívia para acompanhar as eleições de domingo, nas quais o economista Luis Arce, afilhado político do ex-presidente Evo Morales, venceu no primeiro turno o centrista Carlos Mesa.

val/fj/gm/cc/mvv